Clitóris ganha espaço após nova descoberta científica

Samantha Lande

Notificação

28 de novembro de 2022

As pacientes da Dra. Jill Krapf muitas vezes ficam constrangidas demais para abordar o desconforto no clitóris durante as consultas. 

"Indago todas as minhas pacientes sobre dor no clitóris, e muitas vezes é a primeira vez que alguém as faz essa pergunta", disse a médica Dra. Jill Krapf, diretora associada da clínica particular Center for Vulvovaginal Disorders, nos Estados Unidos. Dra. Jill é ginecologista e obstetra especializada em dispareunia, que acomete a pelve, a vagina e a vulva. 

Muitos dos quadros que a Dra. Jill trata não são associados a sinais ou sintomas externos anormais, mas internamente há nervos lesados ou irritados, que podem causar hipersensibilidade, excitação indesejada ou dor.

"Pesquisas mais recentes indicam que até mesmo uma hérnia de disco ou uma lesão na coluna podem provocar sintomas no clitóris ou na vulva, assim como a dor isquiática, que irradia para a perna, está relacionada com problemas na coluna", disse a Dra. Jill.

A médica ficou animada ao ler sobre uma nova descoberta: o clitóris tem mais de 10 mil fibras nervosas, isto é, 2 mil a mais do que o relatado em 1976. Um avanço médico em relação a uma parte do corpo tantas vezes negligenciada pela ciência. A Dra. Jill e outros médicos têm a esperança de que a atenção ao clitóris desperte mais interesse e formação mais abrangente entre as pessoas em seu campo. A especialista também espera que as pacientes se sintam mais confiantes em buscar atendimento médico caso tenham problemas com o clitóris.

"A saúde sexual feminina tem sido historicamente subfinanciada, especialmente em comparação à saúde sexual masculina, como a disfunção erétil", disse a Dra. Jill. "Otimizar a saúde vulvar e vaginal não é necessário apenas para o bem-estar sexual."

Dr. Blair Peters, cirurgião plástico especializado em cirurgia de afirmação de gênero, liderou o estudo apresentado em outubro na conferência da Sexual Medicine Society of North America. Ele disse que espera que a nova informação diminua o estigma de que o clitóris não seria digno da mesma atenção médica que outros órgãos do corpo recebem. 

Quando o clitóris não funciona corretamente, pode haver danos à saúde física e mental da mulher. Prestar atenção ao desconforto no clitóris e procurar atendimento médico pode ajudar a diagnosticar e prevenir algumas infeções urinárias e vaginais.  

"O fato de só em 2022 alguém ter feito esse trabalho revela a pouca atenção que o clitóris recebe", disse o Dr. Blair, professor assistente de cirurgia na Oregon Health and Science University School of Medicine, nos Estados Unidos. 

O que há por trás? 

Dr. Blair e colaboradores realizaram o estudo a partir da obtenção de tecido nervoso clitoridiano de sete homens transgênero adultos que fizeram cirurgia genital de afirmação de gênero. Os tecidos foram corados e ampliados 1.000 × no microscópio, para que os pesquisadores pudessem contar as fibras nervosas. 

Segundo o Dr. Blair, o achado sobre a quantidade de fibras nervosas é importante, porque muitas cirurgias são na região da virilha (p. ex., colocação de próteses de quadril, episiotomias durante o parto, colocação de tela pélvica) e a renovação da atenção ao clitóris pode contribuir para que os profissionais de saúde saibam onde estão os nervos, evitando lesões por erro médico. 

"Há risco de lesão nervosa se não soubermos onde os nervos estão [localizados] a todo o momento", disse o cirurgião. 

O Dr. Blair espera que o achado ajude a criar novas técnicas cirúrgicas para o reparo do nervo, e ofereça uma visão para a faloplastia de afirmação de gênero, que é a construção cirúrgica de um pênis, em geral para pessoas transmasculinas.

Apropriação desta parte do corpo 

Se você tiver um problema cardíaco, buscará um cardiologista; um problema cerebral, um neurologista; mas quando se trata do clitóris, nenhum tipo de médico se especializou nesse órgão sexual.

Urologistas, ginecologistas, cirurgiões plásticos e terapeutas sexuais abordam possíveis problemas que podem surgir no clitóris e adjacências. Mas especialistas como a Dra. Jill são poucos e distantes entre si.

Somente em 2005, a urologista australiana Dra. Helen O'Connell descobriu que o clitóris é formado por tecido erétil e não erétil, que muitas vezes estão escondidos nos desenhos de anatomia pela gordura e pelos ossos. E só no início dos anos 2000 os pesquisadores começaram a mergulhar seriamente na anatomia do clitóris e em seu funcionamento.

E um estudo de 2018 mostrou que se mais médicos examinassem o clitóris, poderiam identificar problemas como aderências ou infecções na região, a maioria das quais pode ser tratada clinicamente.

Uma parte do corpo construída para o prazer 

Randi Levinson, terapeuta sexual, matrimonial e familiar em Los Angeles, atende pacientes com diminuição da sensibilidade no clitóris ou dispareunia. Muitas de suas pacientes deram à luz recentemente ou estão entrando na menopausa

As mulheres muitas vezes ficam constrangidas ao não conseguirem atingir o orgasmo ou por terem menor sensibilidade no clitóris, mas geralmente evitam procurar orientação médica, disse a terapeuta. Normalizar as conversas sobre o prazer feminino e a vasta anatomia que o subsidia pode ajudar algumas de suas pacientes.

"Quanto mais normal for falar sobre o prazer das mulheres e explorá-lo, menos vergonha as mulheres terão ao obter ajuda quando não estiverem tendo prazer", disse Randi. "Eu tenho muitas clientes que sentem dor e desconforto durante o sexo após a gestação; não sentem mais prazer e estão preocupadas que haja algo errado com elas." 

Fontes:

  • Oregon Health and Science University: "Pleasure-producing human clitoris has more than 10,000 nerve fibers."

  • Dr. Blair Peters, cirurgião plástico especializado em cirurgia de afirmação de gênero.

  • Dra. Jill Krapf, ginecologista e obstetra; diretora associada do Center for Vulvovaginal Disorders.

  • Randi Levinson, sexóloga clínica credenciada.

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....