Covid-19: Resumo da semana (20 a 26 de agosto)

Equipe Medscape Professional Network

26 de agosto de 2022

Neste artigo

A covid-19 no mundo

O mundo registrou 599.554.347 diagnósticos de infecção pelo vírus SARS-CoV-2 e 6.483.086 óbitos por covid-19 na manhã do dia 26 de agosto de 2022, de acordo com os dados do Coronavírus Resource Center , da Johns Hopkins University (EUA).

Na quinta-feira (25), a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que mais de um milhão de pessoas morreram de covid-19 entre janeiro e agosto de 2022 em todo o mundo. O diretor-geral Tedros Adhanom lamentou as mortes e pediu para os governos “fortalecerem os esforços na vacinação dos profissionais de saúde, idosos e demais populações de risco”.

Em 17 de agosto, 170 milhões de casos e quase 3 milhões de mortes relacionadas à covid-19 foram registrados no continente americano.

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) iniciou esforços de treinamento para preparar profissionais de saúde para responder a futuras pandemias e outras emergências de saúde pública. A OPAS organizou um workshop regional sobre preparação e resposta a eventos com potencial epidêmico e pandêmico causados ​​por vírus respiratórios, que leva em conta as lições da covid-19, em Buenos Aires, Argentina, de 16 a 19 de agosto de 2022. O virologista da OPAS e consultor regional da agência para doenças virais, Jairo Méndez Rico, Ph.D., alerta que as vacinas bivalentes podem aumentar a pressão sobre o SARS-CoV-2 para que ele evolua.

Nos Estados Unidos, a epidemia continua a enfraquecer. A sublinhagem BA.4.6 da Ômicron representa 6% das contaminações por covid-19. As farmacêuticas  Moderna  e  Pfizer  enviaram solicitações de autorização de uso emergencial ao FDA para suas novas vacinas bivalentes contra a covid-19, anunciaram as empresas no início desta semana. A administração do presidente americano Joe Biden disse na segunda-feira que as novas doses de reforço estarão disponíveis em setembro. A Moderna iniciou um ensaio clínico de sua vacina no início de agosto. A Pfizer também iniciará um ensaio clínico este mês.

No México, o subsecretário de Prevenção e Promoção da Saúde, Dr. Hugo López-Gatell Ramírez, indicou que a epidemia está em "pausa" , mas não descartou que durante os meses de outubro, novembro e dezembro, uma nova recuperação pode ocorrer. No dia 23, o México registrou 8.548 novos casos de covid-19 e 71 mortes. O Instituto Mexicano de Seguridade Social (IMSS) trata 1,5 milhão de pacientes mexicanos com sarcopenia, uma doença progressiva e generalizada dos músculos esqueléticos que afeta pessoas que desenvolveram inflamação após contrair a covid-19.

“Sem planos de prevenção, as pandemias ocorrerão com mais frequência, se espalharão mais rapidamente e ceifarão mais vidas”, explicou a Dra. María del Carmen García Peña, diretora de pesquisa do Instituto Nacional de Geriatria do México.

No Reino Unido, uma vacina bivalente de “próxima geração” contra a covid-19, que tem como alvo duas variantes do vírus SARS-CoV-2, estará disponível no programa de reforço vacinal no outono deste ano, após receber autorização condicional das autoridades reguladoras britânicas. Enquanto isso, o governo decidiu não comprar o tratamento preventivo covid Evusheld  para pessoas imunocomprometidas no Reino Unido, apesar de ter sido aprovado pela Agência de Medicamentos do Reino Unido (MHRA).

O auxílio-doença especial para profissionais de saúde com covid termina em duas semanas, mas a Associação Médica Britânica (BMA) pediu ao governo que mantenha os pagamentos até que soluções de longo prazo sejam implementadas, pois foi constatado que médicos e outros profissionais de saúde ficam mais frequentemente doentes com covid-19 prolongada do que a população em geral.

No Reino Unido, 7.079 pacientes foram internados no hospital em 11 de agosto, uma queda de 13% em relação à semana anterior. Há 10.146 pacientes internados com covid-19, incluindo 7.486 na Inglaterra, onde 207 estão em leitos que permitirão ventilação.

Na França, a diminuição na circulação do SARS-CoV-2 continua na maioria das regiões e a taxa de incidência está diminuindo em todas as faixas etárias (menos 19,55%, com incidência de 657 por 100.000 habitantes). De acordo com dados da Public Health France de 24 de agosto, as taxas de internações clássicas diminuíram nos últimos 7 dias (-5,15%), assim como o número médio de novas internações diárias em cuidados intensivos (-16,39%). Apenas na área de Reunion, segundo dados de 21 de agosto, a taxa de incidência da doença continuou a aumentar ao longo de 7 dias (+ 11,28%), assim como o número de internações diárias (+ 57,14 %).

A variante Ômicron circula quase exclusivamente na França e sua sublinhagem BA.5 é atualmente onipresente.

Em relação ao início do ano letivo, que se inicia em alguns dias, não há restrições no novo protocolo sanitário.

A imunologista Brigitte Autran foi nomeada presidente do Comitê de Monitoramento e Antecipação de Riscos à Saúde. Ela sucede ao professor Jean-François Delfraissy na chefia do Conselho Científico, cuja missão era aconselhar o governo sobre a crise da covid-19.

Na Alemanha, a Ständige Impfkommission (Stiko) acaba de recomendar oficialmente uma segunda dose de reforço contra a covid-19 para todas as pessoas com 60 anos ou mais. Até agora, o Stiko estava relutante em ampliar sua recomendação, mas agora está feito: pessoas nessa faixa etária, bem como pessoas com 5 anos ou mais que correm maior risco de contrair covid-19, devem receber outro reforço. O objetivo desta recomendação é, segundo o Stiko, “proteger ainda mais as pessoas que estão particularmente expostas a formas graves de covid-19 e mortes ligadas à covid-19”.

Na recomendação atual, o painel também inclui o uso da vacina da Novavax para imunização de pessoas com 12 anos de idade ou mais. Anteriormente, só era recomendado a partir dos 18 anos.

A preparação de anticorpos Evusheld é agora recomendada como medida preventiva para grupos particularmente vulneráveis ​​a partir dos 12 anos. Os médicos também podem agora administrar o medicamento antiviral oral Paxlovid diretamente a seus pacientes. Para isso, podem armazenar até 5 unidades de tratamento por consultório.

A nova Lei de Proteção contra Infecções entrará em vigor em outubro. Muitas pessoas podem então perder o status de "totalmente vacinadas", pois serão necessárias 3 doses de vacina em vez de apenas 2 para obter esse status. Basicamente, 2 vacinas são suficientes apenas se uma infecção por SARS-CoV-2 foi detectada antes da 1ª ou 2ª vacinação.

O último relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS) de Portugal, publicado na sexta-feira 19 de agosto, registou 15.214 novos casos de covid-19 na semana de 9 a 15 de agosto e 43 óbitos pela doença, ou seja, 20 a menos que a semana anterior. Segundo o documento, houve uma queda de 22% no número de casos em uma semana (uma diminuição de 4.382 casos), com uma incidência de 148 casos por 100.000 habitantes. De acordo com a DGS, a mortalidade específica por covid-19 (10,3 óbitos em 14 dias por 1.000.000 habitantes) apresenta uma tendência decrescente.

A mortalidade por todas as causas está dentro da faixa esperada para a época do ano, indicando um possível fim do período de excesso de mortalidade. As internações hospitalares caíram ligeiramente, com um total de 559 internações na semana passada, nove a menos que na semana anterior, e 39 internações em unidades de terapia intensiva, uma variação semanal de menos quatro. A relação entre o número de pessoas internadas e de pessoas infetadas foi de 0,24, indicando uma menor gravidade da infeção, semelhante ao que se observa desde o início de 2022, apontou a DGS. Ainda de acordo com a atualização semanal, “a sublinhagem BA.5 da variante Ômicron mantém-se claramente dominante em Portugal, com uma frequência relativa estimada de 94,5% na semana 31 (de 1 de agosto a 7 de agosto de 2022)”.  

Na Espanha, a pandemia permanece estável: dados fornecidos pelo Ministério da Saúde na terça-feira, 23 de agosto, mostraram uma incidência de 14 dias (para pessoas com mais de 60 anos) de 176 casos por 100.000 habitantes. A ocupação de leitos hospitalares e unidades de terapia intensiva diminuiu, atingindo 3,53% e 3,24%, respectivamente.

Os resultados do estudo espanhol CombiVacS mostram que a diminuição dos anticorpos seis meses após a vacinação contra a covid-19 justifica o uso de uma terceira dose.

Na África, desde meados de maio, quando registrou o pico da quinta onda, a região da África apresenta queda no número de novos casos. Na semana que terminou em 14 de agosto, foram confirmados 4.287 casos na região, segundo a OMS. África do Sul (1.293), Nigéria (635), Argélia (612), Costa do Marfim (380) e Burundi (240) são os cinco países que registraram 74% dos 4.287 novos casos.

Desde o início da pandemia na região, 173.091 casos foram notificados na região. O número de mortos caiu, com 15 novas mortes por covid-19 relatadas nos últimos 7 dias, em comparação com 26 casos relatados nos 7 dias anteriores. A maioria das mortes (53%) nos últimos 7 dias foi relatada no Zimbábue e na Costa do Marfim. As últimas análises mostram que a variante Ômicron continua dominante na região. De acordo com o Africa CDC, 21,2% da população africana estão totalmente imunizados.

A maioria dos países do Sudeste Asiático reabriu suas fronteiras com requisitos mínimos para viajantes vacinados.

O Japão está enfrentando uma sétima onda de infecções desde o início de agosto. No entanto, o país está considerando encerrar seus testes de covid-19 para viajantes que já estão vacinados, informou o Nikkei em 22 de agosto.

A partir de segunda-feira, 29 de agosto, a exigência legal de uso de máscara dentro de edifícios em Cingapura será removida, com exceção de locais onde serviços essenciais tenham espaços fechados e lotados e estejam muito lotados de pessoas vulneráveis.

Uma sublinhagem da Ômicron chamada BA.2.75, apelidada de Centaurus, está se espalhando rapidamente na Índia. Alguns cientistas estão soando o alarme, enquanto outros dizem que é muito cedo para dizer se a variante se espalhará amplamente. Na Índia, a nova sublinhagem não parece estar levando, nesta fase, ao aumento das taxas de hospitalização ou mortalidade, de acordo com a revista Nature.

A Coreia do Norte importou mais de um milhão de máscaras faciais e 15.000 pares de luvas de borracha da China em julho, pouco antes de declarar vitória sobre o covid-19, informou a  Reuters no sábado.

*Colaboradores deste artigo: Aude Lecrubier (edição francesa Medscape), Claudia Bravo (Medscape em espanhol), Eli Paes e Mônica Tarantino (Medscape em português), Vanessa Sibbald (Medscape UK), Maria Baena (Univadis Espanha), Brenda Goodman (Medscape Estados Unidos), equipe editorial Coliquio (Alemanha), Daniela Ovadia (Univadis Itália).

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

processing....