Antibióticos durante a gestação podem elevar o risco de asma e outras doenças atópicas em crianças

Lorraine L. Janeczko

Notificação

4 de julho de 2022

Crianças nascidas de mães que tomam antibióticos durante a gestação podem ter um risco elevado de asma na infância e outras doenças envolvidas na marcha atópica, segundo uma revisão sistemática com metanálise.

“O uso de antibióticos durante a gestação está significativamente associado à ocorrência de asma em crianças. Além disso, essa exposição também está associada a doenças componentes da marcha atópica, como sensibilização atópica, dermatite/eczema, alergia alimentar, rinite alérgica e sibilância”, escreveram a primeira autora Dra. Alissa Cait, Ph.D., do Malaghan Institute of Medical Research, na Nova Zelândia, e colaboradores.

"Os antibióticos representam 80% dos medicamentos prescritos durante a gestação, e estima-se que 20% a 25% das gestantes recebam pelo menos uma indicação de antibiótico durante esse período", acrescentaram.

Os pesquisadores avaliaram a exposição pré-natal a antibióticos e o risco de sibilância ou asma na infância, bem como de doenças associadas à marcha atópica. A pesquisa foi realizada através de uma busca por ensaios clínicos controlados que envolveram o uso de qualquer antibiótico a qualquer momento da gestação e analisaram a incidência de doença atópica em crianças com asma ou sibilância como desfecho primário, em bases de dados médicos padronizadas, em inglês, alemão, francês, holandês ou árabe. Os pesquisadores excluíram revisões, dados pré-clínicos e estudos descritivos.

Das 6.060 citações resultantes da busca, 11 estudos prospectivos e 16 retrospectivos atenderam aos critérios de seleção dos autores. Para cada estudo, os pesquisadores avaliaram o risco de viés usando a Newcastle-Ottawa Quality Assessment Scale e classificaram a certeza da evidência usando o protocolo Grading of Recomendations Assessment, Development, and Evaluation (GRADE).

Os estudos, publicados entre 2002 e 2020, foram realizados na Europa, América do Norte, Ásia e América do Sul. A exposição a antibióticos durante o pré-natal foi avaliada por meio de questionários não supervisionados de entrevistas feitas por médicos ou extraída de bancos de dados médicos oficiais.

Os resultados mostraram que:

  • O uso de antibióticos durante a gestação foi associado a um maior risco relativo (RR) de sibilância (RR = 1,51; intervalo de confiança [IC] de 95% de 1,17 a 1,94) ou asma (RR = 1,28; IC 95% de 1,22 a 1,34) durante a infância.

  • Também houve aumento do risco para eczema ou dermatite (RR = 1,28; IC 95% de 1,06 a 1,53) e rinite alérgica (RR = 1,13; IC 95% de 1,02 a 1,25).

  • O risco de alergia alimentar aumentou em um estudo (RR de 1,81; IC 95% de 1,11 a 2,95).

Qualidade dos estudos

"Esses resultados têm importância para o gerenciamento de antibióticos durante todo o período pré-natal", escreveram os autores. No entanto, devido a questões como alta heterogeneidade, vieses de publicação e falta dos números da amostra em alguns estudos, a qualidade geral das evidências apresentadas nos estudos foi baixa. Outras limitações são pesquisas com populações predominantemente brancas e europeias, estudos com baixo poder estatístico e inconsistências nos protocolos dos estudos.

“Embora haja evidências de que o tratamento com antibióticos durante a gestação seja um fator causador da marcha atópica, devido a uma grande heterogeneidade entre os estudos, mais pesquisas são necessárias para tirarmos conclusões claras sobre o assunto”, acrescentaram os autores. "Estudos futuros devem empregar e relatar métodos de avaliação mais diretos e objetivos, ao invés de questionários autorrelatados."

O Dr. Dustin D. Flannery, médico osteopata, neonatologista e pesquisador clínico em doenças infecciosas perinatais, resistência antimicrobiana neonatal e gerenciamento de antimicrobianos no Children's Hospital of Philadelphia, nos Estados Unidos, disse em um e-mail que o estudo foi bem-feito.

Dr. Dustin D. Flannery

O Dr. Dustin observou, contudo, que "embora o estudo relate uma associação, não pode comprovar o nexo causal. A relação entre antibióticos no período pré-natal e distúrbios alérgicos na infância é provavelmente multifatorial e bastante complexa".

O médico endossa a recomendação dos autores de mais pesquisas relacionadas. "Devido à variação na forma como as exposições e os desfechos foram definidos nos estudos, serão necessárias pesquisas mais rigorosas [em relação ao método] nesta área."

Apesar das limitações da pesquisa, "dado que alguns estudos identificaram associações entre exposição pré-natal a antibióticos e distúrbios atópicos e alérgicos na infância, inclusive asma, enquanto outros não, esta revisão sistemática com metanálise faz uma pergunta importante", disse ao Medscape o Dr. Dustin, que não participou da pesquisa.

"Os pesquisadores encontraram uma forte associação entre a exposição pré-natal a antibióticos e o risco de asma e outras doenças na infância", disse ele. "Este achado respalda os esforços para reduzir com segurança o uso de antibióticos durante a gestação."

O estudo teve o apoio da Deutsche Forschungsgemeinschaft e da Konrad-Adenauer-Stiftung. Os autores e o Dr. Dustin D. Flannery informaram não ter conflitos de interesses relevantes .

Allergy. Publicado on-line em 11 de junho de 2022. Abstract

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....