Impacto da varíola símia na gestação é praticamente 'um mistério'

Eliza Partika

Notificação

13 de junho de 2022

Com a varíola símia agora circulando nos Estados Unidos, as gestantes podem se preocupar com o que pode vir a acontecer caso sejam infectadas. Apesar de nenhuma gestante ainda ter sido afetada, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que há a possibilidade de transmissão vertical da varíola símia antes do parto ou, no caso de recém-nascidos, por meio do contato próximo durante e após o nascimento.

Os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) seguem investigando a ocorrência de infecções pelo vírus. Em uma teleconferência em 03 de junho, as autoridades sanitárias dos EUA enfatizaram a importância do rastreamento de contatos próximos, testes diagnósticos e vacinação.

Como os médicos nos EUA estão lutando por informações sobre maneiras de tratar os pacientes, um novo estudo publicado no periódico Ultrasound in Obstetrics & Gynecology pode ajudá-los a assistir gestantes infectadas com a varíola símia. Os autores recomendam monitoramento sistemático do feto para infecção, ultrassonografias regulares, entre outras medidas.

A médica Dra. Asma Khalil, professora na St. George's University, Inglaterra, e primeira autora do novo estudo, disse que o surto de varíola símia fora da África pegou muitos médicos de surpresa.

Dra. Asma Khalil

"Logo percebemos que pouquíssimos médicos que atendem gestantes sabiam algo sobre a varíola símia e o seu impacto na gestação", disse a Dra. Asma ao Medscape. "É provável que os médicos que cuidam de gestantes em breve se deparem com gestantes com medo de estarem infectadas – por apresentarem uma erupção cutânea, por exemplo – ou com gestantes realmente infectadas."

De acordo com os CDC, a varíola símia pode ser transmitida via contato direto com a erupção cutânea, lesão ou crosta causadas pelo vírus, bem como por meio do contato com vestuário, roupa de cama, toalha ou outras peças usadas por uma pessoa infectada. Gotículas respiratórias e fluidos orais de pessoas com varíola símia também foram associados à propagação do vírus, assim como a atividade sexual.

Embora a condição raramente seja fatal, bebês e crianças pequenas correm mais risco de sintomas graves, disseram as autoridades de saúde.

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou uma vacina contra a varíola símia, Jynneos (Bavarian Nordic A/S), de uso geral, mas não foi especificamente aprovada para gestantes. No entanto, um estudo com 300 gestantes que receberam a vacina não registrou reações adversas ou perda gestacional ligadas às vacinas.

A nova revisão sugere que os fetos de gestantes com infecção confirmada devam ser cuidadosamente monitorados por um médico até o nascimento.

Se o feto tiver mais de 26 semanas ou se a mãe não estiver bem, deve-se realizar a monitorização cardíaca fetal, seja por um médico ou remotamente, a cada dois a três dias. Ultrassonografia obstétrica deve ser realizada regularmente para confirmar se o feto está crescendo e se a placenta está funcionando adequadamente.

Mais adiante na gestação, o monitoramento deve contemplar medir o feto, bem como avaliar detalhadamente os órgãos fetais e o líquido amniótico. Uma vez resolvida a infecção, o risco para o feto é pequeno, segundo a Dra. Asma. No entanto, como os dados são limitados, ela recomendou uma ultrassonografia a cada duas a quatro semanas. Ao nascer, para a proteção do bebê e da mãe, o bebê deve ser isolado até que a infecção deixe de ser um risco.

O Royal College of Obstetricians & Gynaecologists está elaborando orientações sobre o manejo da varíola símia em gestantes, disse a Dra. Asma. O American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) disse que está "confiando nos CDC por enquanto", de acordo com um porta-voz do ACOG.

"Há uma óbvia necessidade de mais pesquisas nesta área", disse a Dra. Asma. "O surto em curso é a oportunidade ideal para fazer isso acontecer."

A Dra. Asma informou não ter relações financeiras relevantes.

Ultrasound Obstet Gynecol. Publicado on-line em 02 de junho de 2022. Texto completo

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....