Teste Rápido: Melasma

Dr. Reinaldo Hamamoto

Notificação

31 de maio de 2022

O diagnóstico do melasma é fundamentalmente clínico. A apresentação mais comum é em máculas marrons irregulares, simétricas e com limites claros, e costuma ocorrer na fronte, no nariz, nas bochechas, na região do lábio superior, no mento e na região cervical e, menos comumente, nos membros superiores e na região esternal. Geralmente é assintomático, mas pode causar estresse emocional para o paciente. Existem três padrões típicos de distribuição facial: centrofacial (63%), malar (21%) e mandibular (16%). [1,3,17]

No melasma epidérmico, a forma mais comum da doença, o exame com lâmpada de Wood mostra realce da pigmentação, aumento da melanina em todas as camadas da epiderme e poucos melanófagos dispersos na derme papilar. No melasma dérmico, o pigmento é mais comumente cinza e não é realçado ao exame. Muitos melanófagos podem ser observados em toda a derme. [1,3] O exame com lâmpada de Wood pode auxiliar na localização do pigmento, especialmente em fototipos mais claros, mas é menos confiável nos fototipos IV, V e VI na escala de Fitzpatrick. [18]

A biópsia não é necessária para o diagnóstico do melasma, mas pode ajudar os médicos a estabelecer o diagnóstico diferencial. Tipicamente, o melasma surge de melanócitos hiperfuncionais que depositam quantidades excessivas de melanina na epiderme e derme, não há aumento quantitativo de melanócitos, porém eles são maiores e com dendritos muito proeminentes. [3,11]

A dermatoscopia é uma técnica não invasiva cada vez mais empregada na prática clínica. Pode revelar acentuação da rede pigmentar pseudorreticular normal, aumento da vascularização, telangiectasia, estruturas pigmentares e pode ser útil para avaliar a gravidade do melasma. [19]

Leia mais sobre o tratamento do melasma.

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....