Covid-19: Resumo da semana (7 a 13 de maio)

Equipe Medscape Professional Network

13 de maio de 2022

Neste artigo

Nota da editora: Veja as últimas notícias e orientações sobre a covid-19 em nosso  Centro de Informações sobre o novo coronavírus SARS-CoV-2 . 

O Brasil registrou 30.636.172 casos confirmados de covid-19 e 664.700 óbitos desde o início da pandemia até a manhã de 13 de maio. No dia 12, foram notificadas 136 mortes por covid-19 em 24 horas. A média móvel de mortes nos últimos sete dias foi de 105. Em comparação há 14 dias, a variação foi de -15%. Acre, Amazonas, Amapá, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima e Sergipe não tiveram registro de morte em 24 horas. 

Na mesma data, o país notificou 22.107 novos casos diagnosticados em 24 horas. A média móvel nos últimos sete dias foi de 16.555, variação de +22% em relação a duas semanas.

Os dados são das secretarias estaduais de saúde reunidos pelo ​consórcio de veículos de imprensa criado para monitorar a pandemia. O consórcio é formado por Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e g1.

Divulgados dia 12 de maio, os dados do monitoramento feito pelo Instituto Todos pela Saúde indicam que a positividade de testes para o SARS-CoV-2, que havia caído para 3,6% no fim de março e desde então segue em alta, agora está em 18%. A sublinhagem BA.2 da variante Ômicron está em 89,8% dos testes positivos. Entre 17 e 23 de abril, o percentual era de 84,3%. Segundo os analistas, em breve a sublinhagem BA.1, que entrou no Brasil em dezembro e provocou o crescimento de casos no início do ano, não será mais detectável. O ITpS continua monitorando a Ômicron, agora na expectativa se haverá ou não crescimento de outras sublinhagens, como BA.4 e BA.5.

Todos os grupos etários apresentam taxas de crescimento acima de 15%, com exceção das crianças de 0 a 9 anos (8%). O percentual mais elevado é observado entre adultos de 50 a 59 anos (26%). A análise é baseada em testes realizados pelos laboratórios parceiros Dasa e DB Molecular entre os dias 1º e 7 de maio. Desde dezembro, foram analisados 90.886 testes realizados pelos laboratórios Dasa, DB Molecular e HLAGyn – 90% com amostras coletadas na região Sudeste –, sendo 11.371 na semana de 1º a 7 de maio.

Em entrevista ao Medscape em português, o Dr. Diego Xavier, pesquisador do Observatório MonitoraCovid-19 Fiocruz, disse que a positividade dos testes atingiu 15% na rede pública, um sinal de que o número de casos está aumentando. Ele também disse que a positividade dos testes deve ser avaliada com cuidado porque pode não espelhar claramente a realidade. “Como a doença tem apresentado um comportamento menos letal em relação ao volume de casos e em comparação com outras variantes enfrentadas, evidentemente, por conta da cobertura vacinal, provavelmente menos testes estão sendo realizados e quem testa o faz para fechar o diagnóstico. Se testamos menos e cada vez mais casos sintomáticos, a positividade tende a aumentar”, diz o Dr. Diego. “Outro ponto importante é que os resultados dos testes vendidos em farmácia e feitos em casa não são informados ao Ministério da Saúde e não entram na base oficial de dados”, observa o pesquisador.

Anvisa autoriza lotação plena em aviões, mas mantém máscaras

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, no dia 12, uma amenização das medidas de segurança contra a covid-19 para o transporte aéreo. Os voos podem voltar à sua capacidade máxima e o serviço de bordo pode ser restabelecido a partir de 22 de maio. A exigência de máscaras nos aviões e nas áreas restritas dos aeroportos foi mantida. 

CDC atualiza diretrizes para surto de hepatite em crianças

O Centers for Disease Control and Prevention (CDC), nos Estados Unidos, atualizou suas recomendações para médicos e autoridades de saúde pública sobre o surto incomum de hepatite aguda entre crianças. Desde 5 de maio, o CDC e os departamentos de saúde estaduais nos Estados Unidos investigam casos de uma hepatite de origem desconhecida em 109 crianças de estados. Mais da metade testou positivo para adenovírus, disse o CDC. Mais de 90% foram hospitalizadas e 14% fizeram transplantes de fígado. Cinco mortes estão sob investigação.

Feito esta semana, o alerta do CDC oferece recomendações atualizadas para testes, dada a potencial associação entre infecção por adenovírus e hepatite pediátrica ou inflamação do fígado. “A recomendação aos médicos é considerar o teste de adenovírus para pacientes com hepatite de etiologia desconhecida e relatar os casos às autoridades de saúde pública estaduais ou jurisdicionais", disse o CDC.

Os médicos também devem considerar a coleta de amostra de sangue, amostra respiratória e amostra de fezes. Eles também podem coletar tecido hepático para fazer uma biópsia ou se a autópsia for possível. Leia mais na edição em inglês do Medscape.

processing....