COMENTÁRIO

Desmascarando os falsos efeitos adversos relacionados às vacinas anticovídicas

Dr. Mauricio Wajngarten

Notificação

27 de janeiro de 2022

Nota da editora: Veja as últimas notícias e orientações sobre a covid-19 em nosso Centro de Informações sobre o novo coronavírus SARS-CoV-2 .

Já conversamos no Medscape sobre falsos efeitos adversos, desmascarados pelos estudos do efeito nocebo relacionados ao uso das estatinas. [1,2] Refrescando a memória: no estudo SAMSOM foi oferecido aos pacientes atorvastatina 20 mg, placebo ou nada, alternando os meses de tratamento de forma aleatória. Quando os pacientes viram que as pílulas de placebo provocavam as mesmas sensações que a estatina (efeito nocebo), a metade aceitou reiniciar o tratamento.

Agora um estudo revela o mesmo efeito com as vacinas que protegem contra a covid-19. [3]

O estudo

O objetivo foi comparar as frequências de efeitos adversos no período de sete dias após a injeção nos grupos tratados com vacina contra covid-19 versus placebo. Foi feita uma revisão sistemática e metanálise de 12 ensaios clínicos randomizados que incluíram relatórios de efeitos adversos em 45.380 adultos com 16 ou mais anos publicados até 14 de julho de 2021.

Resultados

Efeitos adversos sistêmicos foram experimentados por 35% dos receptores de placebo após a primeira dose e por 32% após a segunda. Nos vacinados a frequência de efeitos adversos foi significativamente maior. Porém nos grupos placebo, o efeito nocebo representou 76% dos efeitos adversos sistêmicos após a primeira (principalmente cefaleia e fadiga, além de mal-estar, e dor articular) e 52% após a segunda dose da vacina.

As análises exploratórias sugerem que as respostas nocebo podem produzir efeitos adversos de gravidade semelhante aos das vacinas após a primeira dose.

Implicações

A exemplo do que foi demonstrado com as estatinas, o estudo mostrou um grande impacto do efeito nocebo nos estudos de vacinas contra covid-19. Vale lembrar, também, o recente relato da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre fármacos que podem causar miocardite corroborando a “inocência” das vacinas. [4]

Diante de tantas notícias desencontradas que podem inibir a vacinação é importante divulgar esse tema para os profissionais da saúde e para a população em geral.

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....