Covid-19: Resposta imunitária pós-vacinal varia entre neoplasias hematológicas

Jim Kling

Notificação

26 de janeiro de 2022

Nota da editora: Veja as últimas notícias e orientações sobre a covid-19 em nosso   Centro de Informações sobre o novo coronavírus SARS-CoV-2  .

Resultados de revisão sistemática com metanálise de 44 ensaios clínicos publicados entre janeiro e agosto de 2021 indicam que a resposta imunitária à vacinação contra a covid-19 de pacientes com neoplasias hematológicas costuma ser aceitável.

O estudo foi publicado em 08 de novembro no servidor de pré-impressão medRxiv.

Confira os detalhes do estudo:

Principais mensagens

  • O desfecho primário foi a taxa de soropositividade após duas doses de uma vacina anticovídica em relação a taxa de soropositividade após uma dose, taxas de anticorpos neutralizantes positivos, resposta celular e eventos adversos como desfechos secundários.

  • Dois terços dos pacientes (67%) com neoplasias hematológicas estavam soropositivos após duas doses de uma vacina anticovídica

  • O maior risco de ausência de resposta foi para pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) ou para aqueles em tratamento ativo com terapias direcionadas e terapia anti-CD20.

  • Novas abordagens para pacientes de alto risco que respondem mal à vacinação são urgentemente necessárias, escreveram os autores.

Relevância

  • Mais de 80% dos pacientes com neoplasias hematológicas precisam de hospitalização após a infecção pelo SARS-CoV-2 e mais de 50% têm doença grave. A mortalidade pode chegar de 30% a 40%.

  • Pacientes com neoplasias hematológicas foram excluídos dos ensaios clínicos de vacinas.

Desenho do estudo

  • O estudo foi uma metanálise de 44 estudos com um total de 7.064 pacientes: 2.331 analisados após a primeira dose e 4.733 após a segunda dose de qualquer vacina anticovídica.

  • Os autores analisaram dados sobre as respostas imunitárias humoral e celular pós-vacinais. Resposta humoral (soropositividade) foi definida como níveis detectáveis de imunoglobulina G (IgG) específica do domínio de ligação ao receptor SARS-CoV-2. Resposta celular foi definida como aumento nas células T CD4+/CD8+ específicas para o SARS-CoV-2.

  • O risco de viés foi avaliado por meio da escala de Newcastle-Ottawa.

Principais resultados

  • A taxa de soropositividade entre pacientes hematológicos foi de 61% após duas doses da vacina anticovídica e de 67% em estudos comparativos. Após uma dose, as taxas foram de 51% e 37%, respectivamente.

  • Pacientes com neoplasia hematológica tiveram menos probabilidade de soropositividade do que os controles saudáveis após duas doses (razão de chances, RC, de 0,05; P < 0,01) ou uma dose (RC de 0,10; P < 0,01).

  • Foi descrito pelo menos um evento adverso sistêmico ou local entre 10 estudos (22%). No total, a taxa agrupada de pelo menos um evento adverso foi de 36% após duas doses e de 39% após uma dose.

  • A taxa de soropositividade após duas doses da vacina foi maior entre os pacientes com leucemia aguda e síndromes mielodisplásicas (93%), seguidos daqueles com neoplasia mieloproliferativa e leucemia mieloide crônica (87% a 88%) e então com LLC (51%).

  • As análises de subgrupo mostraram soropositividade mais baixa entre os pacientes que receberam tratamento (28%), especificamente entre aqueles que estavam em tratamento ativo ou que haviam sido tratados nos últimos 12 meses com anticorpo anti-CD20 (19%), terapias direcionadas (35%) e após terapia com células T com receptor quimérico para o antígeno (CAR, do inglês Chimeric Antigen Receptor) (31%). A taxa de soropositividade foi maior entre os pacientes que não estavam em terapia ativa (61%) ou que haviam finalizado a terapia anti-CD20 há pelo menos um ano (62%).

Limitações

  • A qualidade dos achados é moderada devido à significativa heterogeneidade clínica e estatística nos estudos incluídos.

  • Os dados de resposta imunitária não refletem necessariamente a eficácia clínica da vacinação.

Declaração de conflitos de interesses do estudo

Os autores receberam financiamento de pesquisa e honorários das empresas Pfizer, Merck Sharp & Dohme, CSL Behring, Sanofi e Gilead.

Este é um resumo da pesquisa em pré-impressão “Immunogenicity of COVID-19 vaccines in patients with haematological malignancy: A systematic review and meta-analysis”, liderada pelo Dr. Benjamin W. Teh, Ph.D., pesquisador do Peter MacCallum Cancer Center e da University of Melbourne, na Australia. O estudo foi publicado no servidor de pré-impressão medRxiv.org antes da revisão por pares e está sendo compartilhado com você pelo Medscape.

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....