"Já tive covid-19, preciso vacinar?" Esse estudo diz que sim

Clarinha Glock

21 de janeiro de 2022

Nota da editora: Veja as últimas notícias e orientações sobre a covid-19 em nosso Centro de Informações sobre o novo coronavírus SARS-CoV-2 .

Novo estudo demonstra efetividade das vacinas anticovídicas CoronaVac, AstraZeneca, Janssen e Pfizer em pessoas com história de infecção prévia pelo SARS-CoV-2 no Brasil. O trabalho, publicado no servidor de pré-impressão MedRxiv em 27 de dezembro de 2021, ainda não foi revisado por pares. [1]

“Este provavelmente é o estudo mais completo até o momento em relação à efetividade vacinal em indivíduos previamente infectados. Outros estudos mostraram algum benefício da vacinação em pessoas previamente infectadas, porém, eram limitados por tamanho amostral, representatividade e, em geral, somente avaliavam um tipo de vacina”, disse um dos autores da pesquisa, o Dr. Otavio Tavares Ranzani, médico intensivista e epidemiologista da Divisão de Pneumologia do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) e do Instituto de Salud Global de Barcelona (ISGlobal), na Espanha.

Para realizar a análise, os pesquisadores consultaram bancos de dados nacionais com informações sobre a vigilância de casos, os testes laboratoriais e a vacinação no Brasil. No estudo, a equipe selecionou indivíduos que tiveram covid-19 confirmada por meio de teste de reação em cadeia da polimerase com transcrição reversa (RT-PCR, sigla do inglês Reverse Transcription Time Polymerase Chain Reaction) e, dentre estes, aqueles que tiveram covid-19 confirmada durante o período do estudo.

“Assim, construímos um estudo caso-controle e teste negativo. Estimamos a razão de chances de alguém vacinado ter um teste RT-PCR positivo em comparação com alguém não vacinado e conseguimos estimar a efetividade da vacina”, explicou o Dr. Otavio. “Tomamos o cuidado de evitar falso-negativos”, acrescentou o pesquisador.

No total, foram avaliados 22.566 indivíduos acima de 18 anos que tiveram dois testes RT-PCR positivos (reinfecção) e 68.426 que tiveram teste positivo e depois negativo, entre fevereiro e novembro de 2021.

Os pesquisadores constataram que, 14 dias após a finalização do esquema vacinal, a efetividade das vacinas anticovídicas CoronaVac, AstraZeneca, Janssen e Pfizer contra doença sintomática em pacientes previamente infectados pelo SARS-CoV-2 foi de 39,4%, 56%, 44% e 64,8%, respectivamente. Em relação a hospitalização ou morte, a efetividade das vacinas foi de 81,3%, 89.9%, 57,7% e 89,7%, respectivamente.

Segundo o infectologista Dr. Julio Croda, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e um dos coordenadores do trabalho em tela, os resultados indicam a necessidade de reforço das recomendações de vacinação, contrapondo o discurso de alguns países de que, em caso de infecção prévia bastaria uma dose da vacina anticovídica – ou até mesmo nenhuma. “Neste momento, em que inclusive muitos profissionais de saúde estão adoecendo, é preciso garantir um nível de proteção elevado”, afirmou o Dr. Julio.

O Dr. Albert Icksang Ko, médico que participou da pesquisa em colaboração com o Instituto Gonçalo Muniz, da Fiocruz em Salvador, e atua no Departamento de Epidemiologia de Doenças Microbianas da Yale School of Public Health, acredita que este estudo é um recurso importante para direcionar as políticas de saúde em todo o mundo. Além disso, ele considera fundamental para reforçar que, se houver um paciente infectado, ele deve receber a vacinação. “Aqui nos Estados Unidos ainda há muitas pessoas que pensam que não precisam da vacina, e esta informação não baseada cientificamente é promovida por governos, como o da Flórida”, observou.

Nas conclusões, os pesquisadores salientaram que mais de 40% da população mundial ainda não recebeu nem uma dose de vacina anticovídica e uma proporção substancial já foi infectada pelo SARS-CoV-2, portanto, “garantir acesso à vacina a indivíduos com infecção anterior pode ser particularmente importante em meio ao início de relatórios da variante Ômicron que sugerem que a imunidade conferida por infecção anterior é reduzida”.[2]

“Nós não avaliamos a variante Ômicron, mas mostramos que, mesmo quem já teve infecção pelo SARS-CoV-2 e tem imunidade decorrente da infecção, se beneficia muito em ganho adicional de proteção ao tomar as duas doses da vacina, e isso deve ajudar na proteção contra a Ômicron”, enfatizou o Dr. Otavio.

Participaram do estudo pesquisadores do Instituto Gonçalo Moniz (Fiocruz Bahia); do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia); da Fiocruz Brasília e da Fiocruz Mato Grosso do Sul; da Universidade Federal da Bahia; da Stanford University, do Instituto de Salud Global de Barcelona (ISGlobal); do Hospital das Clínicas de Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; da London School of Hygiene and Tropical Medicine; da Universidade Federal de Ouro Preto; da Universidade da Flórida; da Yale School of Public Health; da Universidade de Brasília; da Emory University; da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....