Temas mais buscados em dezembro de 2021: Tratamento com linfócitos T-CAR

Ryan Syrek

Notificação

24 de dezembro de 2021

As informações sobre possíveis alterações de conduta clínica apresentadas na reunião anual de 2021 da American Society of Hematology, junto com outros achados recentes promissores, tornaram o tratamento com linfócitos T com receptor quimérico para o antígeno (CAR, do inglês Chimeric Antigen Receptor), o tema clínico mais buscado da semana. Inicialmente, os resultados de dois estudos de fase 3 sugerem que o tratamento com linfócitos T-CAR tenha potencial de substituir a quimioimunoterapia em determinados pacientes com linfoma de grandes células B, segundo o médico Dr. Frederick L. Locke do Moffitt Cancer Center nos Estados Unidos, que apresentou seus achados na reunião anual de 2021 da American Society of Hematology (ASH).

O ensaio clínico ZUMA-7 teve uma mediana de acompanhamento de 24,9 meses. Os pacientes foram randomizados para receber tratamento com linfócitos T-CAR com axicabtagene ciloleucel ou axi-cel (Yescarta). O estudo TRANSFORM comparou o sistema de linfócitos T-CAR lisocabtagene maraleucel, ou liso-cel, (Breyanzi) à quimioterapia convencional de segunda linha. Os ensaios clínicos diferiram ligeiramente quanto aos critérios de elegibilidade e em outros detalhes, mas seus resultados gerais mostram grande promessa de melhorar o tratamento de segunda linha para os pacientes com linfoma de grandes células B recidivante ou refratário, segundo os pesquisadores.

Em uma entrevista para o Medscape, o Dr. Frederick disse que, pelos achados do ensaio clínico ZUMA-7 que ele apresentou, é provável que a quimioterapia como segunda linha para o linfoma de grandes células B recidivante ou refratário caia em desuso. Esta crença foi reforçada pela Dra. Manali Kamdar, médica do University of Colorado Cancer Center nos EUA, que apresentou os resultados do ensaio TRANSFORM na reunião anual de 2021 da ASH. Durante a coletiva de imprensa, a pesquisadora disse que “me parece que este é um tratamento inovador e que tem demonstrado superioridade em relação ao tratamento convencional em termos não apenas de eficácia, mas também de um perfil de segurança extremamente favorável".

Além do linfoma, estudos recentes mostraram que o tratamento com linfócitos T-CAR pode ser eficaz contra o neuroblastoma. As células com peptídeos constituindo alvos específicos para os receptores do antígeno quimérico (PC-CAR, do inglês Peptide-Centric Chimeric Antigen Receptor) eliminaram tumores em modelos murinos e podem estar prontas para sua avaliação clínica já no ano que vem. "Nossos próximos passos são fazer um ensaio clínico com o PC-CAR PHOX2B no final de 2022, criar novas PC-CAR para o neuroblastoma e descobrir alvos para a PC-CAR em outros tipos de câncer importantes da infância", disse à Reuters o Dr. John Maris, médico do Children's Hospital of Philadelphia.

Neste outono no hemisfério norte, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou o medicamento de linfócitos T-CAR brexucabtagene autoleucel (Tecartus) para uso em adultos com leucemia linfoblástica de células B precursoras aguda, recidivante ou refratária. Este é um "avanço significativo" porque "cerca de metade de todos os adultos com leucemia linfoblástica de células B precursoras aguda vai recidivar com os tratamentos disponíveis atualmente", disse a médica Dra. Bijal Shah do Moffitt Cancer Center nos EUA em um comunicado à imprensa do fabricante, a empresa Kite. A aprovação da FDA, que foi a segunda indicação do brexucabtagene autoleucel, se baseou nos resultados do ZUMA-3, um ensaio multicêntrico de braço único com 71 pacientes, dentre os quais 54 pacientes puderam ter a eficácia do tratamento avaliada.

O tratamento com linfócitos T também foi supostamente eficaz para tratar o lúpus eritematoso sistêmico refratário (LES). Uma mulher de 20 anos de idade com lúpus eritematoso sistêmico grave e refratário, nefrite lúpica em atividade, pericardite e outros sintomas, apresentou remissão clínica e sorológica após receber um produto de linfócitos T-CAR direcionado contra o antígeno de superfície dos linfócitos B CD19, informaram o médico Dr. Georg Schett e colaboradores do Deutsches Krebsforschungszentrum da Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg na Alemanha.

"Dado o papel dos linfócitos B em uma ampla gama de doenças autoimunitárias graves, o tratamento com linfócitos T-CAR direcionado aos antígenos das células B pode ter uma aplicação mais ampla", escreveram em uma carta ao editor do New England Journal of Medicine. O Dr. Georg disse, na resposta por e-mail a um pedido de entrevista, que a paciente permanecia saudável e assintomática sem necessidade de tratamento após seis meses de acompanhamento.

Esta última rodada de notícias positivas sobre o tratamento com linfócitos T-CAR, encerra com chave de ouro um ano encorajador. No início de 2021, o tratamento com linfócitos T-CAR mostrou melhora da sobrevida nos pacientes com linfoma folicular recidivante ou refratário. Foi também aprovado pela FDA para tratar o mieloma múltiplo recidivante ou refratário em adultos que já tinham feito quatro ou mais linhas de tratamento. Além disso, verificou-se que pacientes que fizeram o tratamento com linfócitos T-CAR tiveram melhor resposta à vacinação anticovídica, com resposta global celular e humoral ≥ 80%. Dada a riqueza de notícias promissoras sobre este tratamento "inovador", não é nenhuma surpresa que o tratamento com linfócitos T-CAR tenha sido o tema clínico mais buscado da semana.

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....