Novas intervenções por broncoscopia parecem promissoras para pacientes com DPOC

Andrew D. Bowser

Notificação

22 de novembro de 2021

Novos tratamentos por broncoscopia podem melhorar a qualidade de vida de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), disse um pesquisador na reunião anual do American College of Chest Physicians.

A denervação pulmonar direcionada é uma nova opção terapêutica promissora, que é segura e pode melhorar os desfechos clínicos, de acordo com o médico e pesquisador Dr. Christian Ghattas.

Dados de um estudo controlado, randomizado, de fase 3, que está em andamento, podem fornecer novas informações sobre a eficácia da denervação pulmonar direcionada em pacientes com DPOC, disse o Dr. Christian, professor assistente de medicina e diretor associado do programa de pneumologia intervencionista no The Ohio State University Medical Center, nos Estados Unidos.

"Os resultados de um acompanhamento mais prolongado de pacientes que receberam o tratamento nos darão mais informações sobre o efeito e a durabilidade desse tratamento", disse o Dr. Christian em uma apresentação na reunião do American College of Chest Physicians (CHEST), que foi realizada on-line este ano.

Enquanto isso, algumas atraentes modalidades de tratamento por broncoscopia para pacientes com bronquite crônica estão em estágios iniciais de desenvolvimento clínico. "Testes maiores, randomizados e controlados estão em andamento para confirmar os dados disponíveis e avaliar a durabilidade do tratamento", disse Dr. Christian.

Denervação pulmonar direcionada

O sistema de denervação pulmonar direcionada em estudo envolve o uso de um cateter de radiofrequência para realizar a ablação dos ramos peribrônquicos do nervo vago, explicou o Dr. Christian.

O objetivo de interromper a inervação pulmonar aferente é a broncodilatação sustentada e a redução do muco secretado, simulando assim o efeito de medicamentos anticolinérgicos, acrescentou.

Em estudos piloto, o sistema de denervação pulmonar direcionada demonstrou sua viabilidade e segurança, enquanto modificações no sistema reduziram a taxa de eventos adversos graves, segundo Dr. Christian.

No estudo AIRFLOW-1, que avaliou a segurança da versão de última geração do sistema, 30 pacientes com DPOC foram randomizados para denervação pulmonar direcionada em uma das duas doses, 29 ou 32 Watts.

Desses 30 pacientes, 29 (96,7%) tiveram sucesso na realização do procedimento, o que significa que o cateter foi inserido, orientado para a localização pretendida e removido intacto, sem eventos adversos graves relatados no hospital, de acordo com resultados publicados no periódico Respiration.

Não houve diferença entre os braços no desfecho primário, que foi a taxa de eventos adversos de vias respiratórias que exigiram intervenção associadas à denervação pulmonar direcionada, relataram os pesquisadores. Quatro desses eventos ocorreram, em 3 dos 15 pacientes tratados com 32 Watts e em 1 dos 15 pacientes tratados com 29 Watts.

O sucesso na realização do procedimento, definido como sucesso do funcionamento do dispositivo sem um evento adverso grave no hospital, foi de 96,7% (29/30). A taxa de efeitos adversos de vias respiratórias associados a denervação pulmonar direcionada que requereram intervenção foi de 3/15 nos 32 W versus 1/15 no grupo de 29 W (P = 0,6). No entanto, eventos gastrointestinais graves foram observados em cinco pacientes, o que levou a melhorias de segurança e do procedimento que reduziram tanto eventos gastrointestinais quanto de vias respiratórias, segundo o relatório do estudo.

Outros dados estão disponíveis no estudo AIRFLOW-2, um ensaio randomizado e controlado por procedimento simulado (sham) que incluiu pacientes com DPOC sintomática.

Nesse estudo, a denervação pulmonar direcionada + farmacoterapia otimizada levaram a menos eventos adversos respiratórios de interesse, incluindo internações por exacerbação da DPOC, de acordo com um relatório sobre o estudo publicado no periódico The American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine.

Eventos adversos respiratórios ocorreram em 32% do grupo tratamento versus 71% do grupo sham em uma janela pré-estabelecida de 3,0 a 6,5 meses pós-procedimento, diz o relatório.

Atualmente, o AIRFLOW-3 está em andamento, um estudo randomizado de denervação pulmonar direcionada versus procedimento sham em pacientes com DPOC. O estudo tem como medida de desfecho primário as exacerbações moderadas ou graves de DPOC ao longo de 12 meses e prevê inscrever 480 pacientes.

Para serem elegíveis para o AIRFLOW-3, os pacientes devem ter tido pelo menos duas exacerbações moderadas ou uma grave de DPOC no ano anterior, disse o Dr. Christian.

Spray refrigerante mensurado

Uma nova intervenção com potencial para beneficiar pacientes com bronquite crônica é o spray refrigerante mensurado, que fornece nitrogênio líquido para as vias respiratórias traqueobrônquicas, de acordo com Dr. Christian.

Este método de tratamento direcionado faz a ablação do epitélio anômalo, facilitando a regeneração da mucosa saudável, de acordo com os pesquisadores em um estudo prospectivo de braço único recém-publicado.

O spray foi seguro, viável e associado a melhoras clinicamente significativas nos desfechos relatados pelos pacientes com DPOC, segundo autores do estudo publicado no periódico European Respiratory Journal.

No trabalho, 34 dos 35 participantes receberam três tratamentos com intervalo de quatro a seis semanas.

Os pesquisadores relataram que, aos três meses, houve reduções significativas no COPD Assessment Test que duraram seis meses, e alterações no St. George's Respiratory Questionnaire e no Leicester Cough Questionnaire que duraram até nove meses.

Houve 14 eventos adversos graves, nenhum relacionado ao dispositivo ou procedimento, segundo os pesquisadores.

Um estudo randomizado em andamento chamado SPRAY-CB está comparando o spray refrigerante com procedimento sham em um número previsto de 210 pacientes com DPOC e bronquite crônica.

Reoplastia brônquica

A reoplastia brônquica é outra intervenção promissora para o tratamento de bronquite crônica em pesquisa, de acordo com o Dr. Christian.

Este sistema fornece energia elétrica pulsada não térmica, explicou o Dr. Christian, com a intenção de realizar ablação das células caliciformes nas vias respiratórias.

"Os estudos pré-clínicos demonstraram ablação epitelial, seguida da regeneração do epitélio saudável", disse ele em sua apresentação.

Em 12 meses de resultados do ensaio clínico multicêntrico, a reoplastia brônquica foi tecnicamente viável e segura, com reduções na hiperplasia de células caliciformes e alterações na qualidade de vida relatadas pelo paciente após o procedimento, relataram pesquisadores no periódico The American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine.

O escore médio de hiperplasia de células caliciformes foi reduzido em 39% da linha de base para o tratamento, de acordo com os resultados do estudo. Quatro eventos adversos graves relacionados ao procedimento foram observados ao longo de seis meses, e não houve procedimentos ou eventos adversos graves relacionados ao dispositivo nos seis meses seguintes. Hemoptise de grau leve ocorreu em 47% dos pacientes, informaram os pesquisadores.

Um teste prospectivo randomizado e duplo-cego maior, controlado por procedimento sham, está em andamento e incluirá 270 pacientes, de acordo com o Dr. Christian. "Precisaremos esperar os resultados", disse ele.

Dr. Christian relatou servir como principal investigador no seu serviço de ensaios clínicos envolvendo as intervenções broncoscópicas que ele discutiu no evento, incluindo AIRFLOW-3 (sistema de denervação pulmonar direcionada), SPRAY-CB (spray refrigerante) e RheSolve (reoplastia brônquica).

Este conteúdo foi originalmente publicado no periódico Chest Physician.

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....