Covid-19: Resumo da semana (15 a 21 de maio)

Equipe Medscape Professional Network

21 de maio de 2021

Nota da editora: Veja as últimas notícias e orientações sobre a covid-19 em nosso Centro de Informações sobre o novo coronavírus SARS-CoV-2 .


Na manhã de 21 de maio o Brasil registrou 15.898.558 diagnósticos de infecção por SARS-CoV-2 e 444.391 mortes por covid-19 desde o início da pandemia, de acordo com balanço produzido diariamente pelo consórcio de veículos de imprensa com informações das secretarias estaduais de Saúde. O consórcio é formado por G1O Estado de S. PauloO GloboExtraFolha e UOL.

A média móvel de mortes nos últimos sete dias foi de 1.971. Nas últimas 24 horas ocorreram 2.527 mortes pela doença. São 120 dias com média móvel acima de mil mortes por dia.

A média móvel de novos casos nos últimos sete dias foi de 65.962 diagnósticos por dia – uma variação de +10% em relação às últimas duas semanas. Pelos critérios do consórcio, variações abaixo de 15% são consideradas tendência de estabilidade. Apesar da classificação feita pelo consórcio, a subida chama a atenção porque a média de novos casos vinha se mantendo abaixo de 60 mil nos últimos 30 dias.

Nova variante no Brasil

Seis casos de infecção pela variante B.1.617.2, identificada inicialmente na Índia, foram confirmados no Brasil. Ela foi detectada em tripulantes do navio MV Shandong da Zhi, fretado pela Vale para transportar minério de ferro para o porto de São Luís (MA). De acordo com a secretaria estadual de Saúde, havia 15 infectados entre os 24 tripulantes que foram testados. Destes, 12 estavam assintomáticos, dois com sintomas leves e um permanece internado em terapia intensiva.

O governo maranhense informou que as 100 pessoas que tiveram contato com os tripulantes infectados serão monitoradas e testadas. O navio saiu da Malásia e fez escala na África do Sul antes de ancorar no Maranhão. A B.1.167.2 é uma das sub-linhagens da variante B.1.167, considerada mais transmissível. As informações disponíveis até o momento sobre a B.1.167.2 não apontam para maiores chances de reinfecção ou escape vacinal.

A prefeitura de São Paulo pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que sejam feitas barreiras sanitárias nos aeroportos para controlar a potencial chegada de passageiros com a nova cepa. O pedido é importante, mas chega tarde porque as variações da B.1.167 já foram identificadas em mais de 40 países.

O médico e neurocientista Dr. Miguel Nicolelis disse nesta sexta-feira (21) ao UOL Entrevista que o Brasil deveria ter feito um controle mais rígido de entrada nos aeroportos internacionais e que o Maranhão provavelmente não é a única porta de entrada da cepa indiana no país.

Os desafios da vacinação

Até a data, 19,41% da população brasileira (41.097.928 pessoas) tomaram a primeira dose de uma vacina anticovídica. A segunda dose foi aplicada em 9,54% da população (20.208.975 pessoas). Entre a quarta-feira (19) e a quinta, o Brasil aplicou um total de 1.032.254 doses de alguma vacina anticovídica. Foi a 14ª vez em que mais de 1 milhão de doses foram administradas em 24h desde o início da pandemia, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa que monitora a situação no Brasil.

De acordo com uma projeção recente feita pelo Institute for Health Metrics and Evaluation da University of Washington (EUA) o país poderá chegar mais de 750 mil mortes até o fim de agosto se o ritmo da vacinação não melhorar.

Reportagem do site G1 revelou que apenas 39% dos idosos acima de 60 anos foram completamente vacinados com duas doses. A conclusão é fruto da análise de dados do sistema OpendataSUS, em que estão registradas todas as doses de vacinas aplicadas. A metodologia está explicada no final da matéria, que traz um gráfico excelente indicando o tamanho da população e quem recebeu uma ou duas doses por sexo e faixa etária.

Na quinta-feira (20), as doenças crônicas neurológicas foram incluídas na lista de comorbidades que permitem tomar a vacina anticovídica no grupo prioritário. A partir de agora, podem se vacinar pessoas com doenças cerebrovasculares (AVC isquêmico ou hemorrágico), ataque isquêmico transitório e demência vascular, doenças neurológicas crônicas que impactem na função respiratória, doenças hereditárias ou degenerativas do sistema nervoso ou muscular, deficiência neurológica grave, paralisia cerebral, esclerose múltipla ou condições similares.

Divulgadas no final de abril, somente agora as orientações do Ministério da Saúde para a vacinação de gestantes e puérperas foram incluídas no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO). A recomendação do governo brasileiro é de que apenas as gestantes com comorbidades sejam vacinas. Elas devem receber os imunizantes CoronaVac (Sinovac/Butantan) ou ComiRNAty (Pfizer/BioNTech). Não devem tomar a vacina de Oxford/AstraZeneca. Aquelas que não têm comorbidades e já tomaram a primeira dose devem aguardar o parto.

No dia 19, a Fiocruz suspendeu a produção local da vacina de Oxford/AstraZeneca por falta de insumos farmacêuticos ativos (IFA). A entrega de lotes de matéria-prima é esperada pela instituição neste sábado (28). Quanto aos IFA para a CoronaVac, que também acabaram, a China diminuiu de 4 mil para 3 mil litros a quantidade prometida para o lote que deve chegar ao Brasil no dia 26. No dia 14, o Butantan parou a produção da CoronaVac, que só será retomada com a chegada nova remessa. Na quarta-feira (19), o Brasil recebeu um lote de 629.460 doses da vacina da Pfizer/BioNTech.

Boa notícia: começou na cidade de Botucatu, no interior do estado de São Paulo, um estudo inédito no pcom vacinação em massa para avaliar a eficácia do imunizante de Oxford/AstraZeneca contra o SARS-CoV-2 e sua efetividade contra novas cepas do vírus. No domingo (16), 95% do público-alvo da campanha (67 mil pessoas) foram imunizados em 10 horas. A cidade tem 148.130 habitantes.

Uma dose de esperança foi o nascimento de uma criança com anticorpos contra a covid-19 na cidade de Tubarão, em Santa Catarina. O bebê se chama Enrico Izidoro e tem agora 40 dias. Sua mãe, a médica Talita Izidoro, tomou duas doses da CoronaVac. O menino herdou os anticorpos da mãe.

Novas diretrizes, agora sem cloroquina

Novas diretrizes para tratamento intra-hospitalar de pacientes com covid-19 elaboradas pelo Ministério da Saúde estão em análise pela comissão que aprova tecnologias e medicamentos para o Sistema Único de Saúde (SUS). O texto não recomenda a hidroxicloroquina – comprovadamente sem efeito contra a covid-19 e nem indica outros medicamentos que fazem parte do chamado "kit covid", como a ivermectina e a azitromicina, para um suposto "tratamento precoce de covid-19", combinação que já foi descartada pela ciência para tratar esta doença. Surpreendentemente, o movimento do ministério diverge da política adotada pelo governo federal e divulgada pelo ex-ministro da Saúde , general Eduardo Pazuello. O uso dessas drogas causa indignação na maioria dos médicos, mas o Conselho Federal de Medicina (CFM) não se pronunciou contrariamente até o momento.

De covid-19 a febre viral trombótica?

Um grupo de 10 pesquisadores brasileiros de diferentes áreas defende que a covid-19 seja classificada como febre viral trombótica (FVT). Em um artigo revisado por pares e publicado na revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, os pesquisadores propõem enquadrar a covid-19 em terminologia mais clínica, fazendo uma analogia à febre hemorrágica viral (VHF). De acordo com os autores, seria mais informativo não só do ponto de vista clínico, mas melhoraria também a percepção pública.

Pequenos grupos com carga viral elevada

Nova pesquisa com mais de 72.000 amostras de saliva coletadas em um campus universitário nos Estados Unidos revelou que 2% dos estudantes assintomáticos carregaram 90% dos níveis de carga viral do SARS-CoV-2 naquela comunidade. Além disso, as cargas virais identificadas nestes alunos foram tão elevadas quanto as observadas em pacientes hospitalizados.

“As variantes são inocentes até que se prove o contrário”

Fundador do Scripps Research Translational Institute e editor-chefe do Medscape, o Dr. Eric Topol discute a capacidade das vacinas anticovídicas, atuais e futuras, de combater as variantes do SARS-CoV-2 e fala também sobre outros obstáculos à contenção da pandemia. Confira. O Dr. Topol segue de perto os dados sobre a covid-19 desde o início da pandemia.

A pandemia lá fora

O mundo somou 165.594.437 diagnósticos de infecção pelo novo coronavírus e 3.432.022 óbitos por covid-19 na manhã de 21 de maio, segundo o monitor  Coronavírus Resource Center , da Johns Hopkins University (EUA). Em todo o planeta, foram administradas 1.594.816.459 doses de vacinas (em números absolutos) até a data.

Apesar de um declínio nos casos diários nos últimos dias, a Índia atingiu outro recorde de mortes diárias no dia 19, com 4.529 óbitos nas últimas 24 horas.

Bolívia, Colômbia, Venezuela e Equador declararam toque de recolher noturno para reduzir o número de infecções. Enquanto isso, na segunda-feira (17), o Panamá informou o segundo dia consecutivo sem nenhuma morte por covid-19.

Na terça-feira (18), a Argentina registrou um número recorde de novos casos desde o início da pandemia, no ano passado. Foram mais de 35.000 casos confirmados em 24 horas, com ocupação das unidades de terapia intensiva em torno de 72%-76%. O país anunciou novo lockdown de nove dias para tentar conter a nova onda, que está causando quase 500 mortes por dia.

O Chile realizou eleições nos dias 15 e 16 de maio para escolher os membros da convenção que redigirá a nova Constituição do país. Durante esta semana, o ministério da Saúde notificou 6.769 novos casos de covid-19. Até o momento, 39,78% da população do país foram vacinados.

Paraguai registrou, em 18 de maio, 110 mortes por covid-19, o maior número em 24 horas desde o início da pandemia. Na mesma data, teve início a vacinação de pessoas com 65 anos ou mais.

Nos Estados Unidos, os casos e mortes por covid-19 continuam diminuindo, já que as vacinas estão agora disponíveis para qualquer pessoa com 12 anos ou mais. Com mais de um terço dos americanos totalmente vacinados, os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) divulgaram uma orientação polêmica na semana passada autorizando pessoas que tomaram a segunda dose de uma vacina há pelo duas semanas a remover a máscara na maioria dos ambientes. Apesar da boa sorte da América em ter excesso de vacinas altamente eficazes, o ritmo da vacinação diminuiu, levando alguns estados a oferecer incentivos para convencer as pessoas que ainda estão hesitantes. Ohio, por exemplo, está oferecendo 5 prêmios de US $ 1 milhão cada em uma loteria da qual as pessoas podem participar se forem vacinadas, o que parece estar funcionando. O presidente Joe Biden disse que enviará mais 20 milhões de doses de vacinas para outros países, elevando o número total prometido para ajuda internacional para 80 milhões de doses. Os críticos dizem que a América não está fazendo o suficiente para ajudar o resto do mundo.

O ministério da Saúde do México informou, no dia 16, que o número de infecções vem diminuindo há 17 semanas consecutivas. No dia 18, começou a imunização de trabalhadores da educação com a vacina chinesa CanSino. O plano do governo é imunizar toda a população mexicana antes do final de outubro. O chanceler mexicano anunciou que o primeiro lote da vacina de Oxford/AstraZeneca embalado no México deve estar pronto em 24 ou 25 de maio.

Em Portugal, especialistas discutem o impacto da covid-19 na saúde das pessoas recuperadas. Em entrevista à Agência Lusa, o presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), Dr. Nuno Jacinto, reconheceu que as sequelas da infecção pelo vírus SARS-CoV-2 são “uma zona muito cinzenta”, sobre a qual Portugal “não tem ainda orientações totalmente definidas” no que diz respeito ao seguimento desses doentes. De acordo com o relatório da Direção Geral de Saúde (DGS) de 18 de maio, os novos casos estão subindo e as internações diminuem. No mesmo dia, foi publicado decreto que regula o acesso às praias a partir de 12 de junho. Quem não cumprir as regras poderá agora ser multado. Uma delas é obrigatoriedade do uso de máscara até chegar à areia se for impraticável manter o distanciamento social recomendado. Portugal administrou 4.515.124 doses de uma vacina anticovídica em números absolutos até 18 de maio. O total de óbitos desde o início da pandemia até essa data é de 17.009 óbitos e 842.381 casos de infeção confirmados (dados da DGS). No dia 14, o governo anunciou que disponibilizar 24 mil doses de vacinas contra a covid-19 a Cabo Verde por causa do agravamento pandemia naquele país.

No Reino Unido, as medidas restritivas foram relaxadas ainda mais a partir do dia 17. Em número limitado, a população da Inglaterra, da Escócia e do País de Gales pode se encontrar em ambientes fechados, manter contatos próximos e visitar bares e restaurantes no interior do país. Cinemas, museus e outras atrações já podem abrir as portas. Ao iniciar a fase 3 do plano de retorno à normalidade, o primeiro-ministro Boris Johnson pediu uma "forte dose de cautela", em grande parte devido às incertezas sobre a variante B.1.617.2, identificada na Índia. Johnson aconselhou todas as pessoas elegíveis para tomar a vacina que ainda não o fizeram a aceitar a oferta. Ele anunciou a antecipação da segunda dose para aqueles com mais de 50 anos (prevista em um intervalo de 10 a 12 semanas após a dose inicial) para que seja dada em cerca de oito semanas. Mais de 36 milhões de pessoas já tomaram uma dose da vacina anticovídica no Reino Unido e mais de 20 milhões tomaram as duas doses. Nesta semana, pessoas com 30 anos serão convidadas a agendar a primeira dose da vacina anticovídica.

Na França, cafés, teatros, cinemas e monumentos reabriram na quarta-feira (19) com visitação limitada. No dia 18, foram registrados 17.210 novos casos de covid-19. Na data, a incidência estava em 148.87 casos por 100 mil habitantes. Até o momento, 31,5% da população total e 40,2% do grupo prioritário receberam uma dose da vacina; enquanto 13,6% da população total e 17,4% da população prioritária foram completamente imunizados com duas doses.

Quatro novos casos de tromboses atípicas potencialmente relacionados com a vacina de Oxford/AstraZeneca foram notificados entre 23 de abril e 6 de maio no país e estão sendo investigados. Dois desses casos evoluíram para óbito. De acordo com a Agência Francesa de Medicamentos (ANSM), “34 casos, incluindo 11 mortes” por eventos tromboembólicos raros ocorreram na França em mais de quatro milhões de doses administradas até 6 de maio. A Haute Autorité de Santé (autoridade sanitária francesa) manteve a indicação da vacina de Oxford/AstraZeneca, chamada de Vaxzevria no país, apenas para maiores de 55 anos.

O governo da Itália anunciou uma revisão de seu cronograma de reabertura, já que a situação de saúde continua melhorando em todo o país. As mudanças incluem o adiamento do toque de recolher para às 23h. O país começou a relaxar as restrições desde de 26 de abril. Escolas, museus, cinemas e lojas agora estão abertos na zona amarela, de baixo risco (19 de 20 regiões italianas). A partir do sábado (22), os shoppings reabrirão nos finais de semana. Na segunda-feira (24), as academias serão reabertas, o que ocorrerá uma semana antes do planejado, mas com diretrizes de segurança, como a limitação do número de pessoas, uso de máscaras faciais nas áreas comuns e o agendamento de treinamento com antecedência. Em 1º de junho, bares e restaurantes serão reabertos com serviço interno de almoço. O ministro da Saúde italiano, Roberto Speranza, assinou documento autorizando a entrada de cidadãos de países da União Europeia e do Espaço Schengen (área que compreende 26 países europeus que aboliram passaportes e outros controles nas suas fronteiras comuns) bem como da Grã-Bretanha e de Israel, com swab negativo feito nas 48 horas anteriores à chegada na Itália, sem quarentena obrigatória. No entanto, as restrições ao Brasil foram estendidas até 30 de julho de 2021.

Na Alemanha, a terceira onda da pandemia pode ter sido bloqueada. Uma razão para isso parece ser o avanço da campanha de vacinação. Dez por cento das pessoas foram vacinadas duas vezes e um terço da população tomou a primeira dose de alguma vacina anticovídica. Em todo o país, a incidência da covid-19 fica abaixo do limite de 100 novos casos por 100 mil habitantes em um número crescente de regiões. Em 7 de junho, termina a vacinação prioritária em todo o país.

A Espanha voltou à classificação de “risco médio” pela primeira vez desde o final de março, com uma incidência em 14 dias de aproximadamente 130 novos casos por 100 mil habitantes. Os sindicatos denunciaram que o país precisa de 9.500 médicos generalistas para atingir a proporção europeia. O último relatório sobre vacinação aponta que 1 em cada 3 cidadãos recebeu pelo menos uma dose de vacina anticovídica, o equivalente a 32,2% da população. A Comissão de Saúde Pública do Ministério da Saúde aprovou a vacina de Pfizer/BioNtech para pessoas com menos de 60 anos que já tomaram a primeira dose de Oxford/AstraZeneca. A decisão vem após a publicação dos resultados preliminares do estudo Combivacs.

Na Ásia, Cingapura anunciou o fechamento da maioria das escolas a partir do dia 19 depois que o ministro da Educação, Chan Chun Sing advertiu que novas variantes do vírus SARS-CoV-2, incluindo a variante B.1.617 (Índia), estavam afetando mais alunos. O país agora planeja a vacinação dos jovens.

No Japão oposição pública aos Jogos Olímpicos de verão em Tóquio continua a crescer. Uma nova pesquisa descobriu que 43% dos entrevistados queriam que os jogos fossem cancelados, enquanto 40% queriam que eles fossem adiados ainda mais. Em 14 de maio, o país ampliou o estado de emergência para as prefeituras de Hokkaido, Okayama e Hiroshima, todas atingidas gravemente pelo covid-19. Em 18 de maio, o número de pacientes com covid-19 gravemente enfermos no país atingiu um recorde de 1.235.

Taiwan relatou aumento nos casos domésticos de covid-19, levando à implementação de novas restrições. O nível de alerta nacional foi elevado para o Nível 3 em um sistema de 4 camadas, que obriga o uso de máscaras ao ar livre e limita a cinco o número de participantes de reuniões em ambientes fechados e 10 pessoas ao ar livre.

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE

processing....