Trabalho aponta obstáculos enfrentados por canhotos na formação médica

Fran Lowry

Notificação

4 de fevereiro de 2021

Residentes de cardiologia canhotos enfrentam dificuldades específicas no aprendizado de procedimentos de rotina, de acordo com um novo artigo.

Cerca de 10% da população mundial é canhota, e acredita-se que a prevalência de canhotismo entre estudantes de medicina e médicos atuantes seja semelhante.

Dr. Prashant Patel

"Extrapolando isso para as 3.017 vagas ativas de residência em cardiologia geral e as 339 vagas de residência em cardiologia intervencionista para o ano letivo de 2018 a 2019, estima-se que sempre haja mais de 300 residentes canhotos nos programas de residência cardiovascular nos Estados Unidos. Apesar disso, qualquer unidade de saúde convencional é projetada para ser conveniente para os profissionais de saúde destros, criando assim diversos obstáculos para os residentes canhotos, "escreveram o Dr. Prashant Patel, médico, e a Dra. Mandira Patel, médica osteopata, ambos da University of California Riverside School of Medicine, nos EUA.

"Com uma prevalência de cerca de 10%, o canhotismo é muito mais comum do que a maioria das pessoas percebe, inclusive entre os residentes de cardiologia. A maior parte das etapas dos procedimentos foi projetada para a maioria com lateralidade direita, podendo causar diversos obstáculos para os residentes canhotos. É muito importante que a comunidade acadêmica de cardiologia reconheça isso", disse Dr. Prashant Patel para o Medscape.

O artigo foi publicado na edição de 05 de janeiro do periódico Journal of the American College of Cardiology.

O Dr. Prashant, que é canhoto, disse que sua própria experiência o motivou a examinar a questão.

"Quando rodei nos procedimentos, há alguns anos, reparei que estava me posicionando de modo um pouco diferente do que minha equipe pela minha preferência por usar a mão esquerda para obter controle motor fino", disse o autor. "Comecei a procurar na literatura disponível o que outros cardiologistas canhotos fizeram no passado, mas percebi que não havia nada publicado nessa linha."

"Comecei a conversar com os meus colegas e superiores, e descobri que o nosso pequeno programa de residência em cardiologia sempre conta com entre 20% e 40% de residentes canhotos, e achamos que era importante tratar dessa questão", acrescentou.

A prática leva à perfeição, e a repetição acaba levando à automatização dos gestos, mas a curva de aprendizado pode ser mais prolongada para os residentes canhotos. "A aquisição de competência nos procedimentos depende do tempo e da repetição. Por fim, a maioria dos cardiologistas canhotos em atividade acha que isso não é um problema e sequer percebe que pode ter tido uma curva de aprendizado diferente por causa da sua dominância manual", observou Dr. Prashant.

Os residentes de cardiologia canhotos enfrentam o primeiro desafio na sala de exames.

Os médicos classicamente examinam seus pacientes à direita do leito. A maioria dos consultórios é planejada para médicos destros, com maca de exame posicionada com a cabeceira distal em relação à porta e o lado esquerdo da maca perto da parede, deixando o lado direito da maca como única opção para examinar o paciente. Nos hospitais, os monitores e os suportes de soro costumam ser colocados no lado esquerdo do leito do paciente.

"Esta prática, mais do que em qualquer outra coisa, se baseia na tradição. O exame clínico pode ser feito com a mesma precisão e eficácia à esquerda do paciente", disse Dr. Prashant.

No laboratório de ecocardiografia, algumas unidades colocam o aparelho de ecocardiograma transtorácico à direita do paciente, exigindo que o médico obtenha as imagens com a mão direita, cruzando o tórax do paciente.

"Isto é ergonomicamente contraproducente, pois é preciso se sentar na maca, passar o braço por cima do paciente e virar o tronco. O exame pela esquerda do paciente é ergonomicamente melhor na prevenção das lesões dorsais do médico, e pode ser vantajoso para o canhoto, já que o transdutor fica na mão dominante", observou Dr. Prashant.

No laboratório de cateterismo, a dificuldade para os cardiologistas canhotos começa com o acesso arterial ou venoso.

"Os dois pontos de acesso arterial mais utilizados são na artéria radial direita e na artéria femoral direita. Ambos representam desafios únicos em termos de posicionamento para a maioria dos residentes canhotos no início da sua formação. O membro superior direito é colocado em adução e rotação externa por convenção, o que dificulta o acesso pelo canhoto, e exigiria que o médico usasse sua mão direita não dominante de forma estranha fazer o acesso", disse Dr. Prashant.

Uma solução poderia ser reposicionar o membro superior do paciente usando uma placa radial com abdução do braço a cerca de 45 graus e rotação externa.

"Isto cria espaço para que o médico canhoto se mantenha caudal ao membro superior do paciente e se aproxime do ponto de acesso radial usando convenientemente a sua mão dominante", sugeriu o médico.

No acesso femoral, o médico canhoto poderia ficar à esquerda do paciente e fazer um acesso femoral esquerdo ou alcançar a região inguinal direita do paciente e fazer o acesso desta forma, ou, alternativamente, o médico poderia recorrer à utilização da mão direita para fazer o acesso femoral direito.

"O grande calibre dos vasos femorais permite até mesmo que os médicos inteiramente canhotos se habituem a usar sua mão não dominante com a prática. Isso pode ser preferível a trocar para o lado esquerdo", disse o autor.

Existem também algumas vantagens de ser canhoto, disse Dr. Prashant.

Isto ocorre "especialmente no laboratório de cateterismo, por exemplo, ao fazer o acesso femoral direito anterógrado para intervenções periféricas", observou. "Ter um médico canhoto também pode ser útil quando dois médicos precisam trabalhar simultânea e rapidamente nas duas regiões inguinais, como costuma ocorrer nas intervenções coronarianas complexas ou estruturais. Os médicos canhotos também ficam à vontade ao fazer o acesso radial esquerdo, que tem demonstrado algumas vantagens em relação ao acesso radial direito", disse.

"Esperamos sensibilizar a comunidade acadêmica da cardiologia para a lateralidade esquerda", acrescentou Dr. Prashant. "Esperamos que o reconhecimento, o apoio e as pequenas modificações no fluxo de trabalho permitam que muitos jovens residentes no início de sua carreira perseverem no curso e alcancem todo o seu potencial nos procedimentos desta especialidade."

Artigo sagaz

"Este artigo do Dr. Prashant Patel e da Dra. Mandira Patel é muito perspicaz sobre os desafios singulares e as ocasionais oportunidades para o cardiologista canhoto", segundo o Dr. Simon Kendall, MBBS, presidente da Society for Cardiothoracic Surgery Great Britain no Reino Unido, escreveu na resposta que acompanha o artigo.

"Como cirurgião cardíaco canhoto, me sinto constrangido por não ter prestado atenção em questões tão importantes para os meus colegas cardiologistas: a determinação de examinar o paciente sempre pela direita, fazer o ecocardiograma com a mão direita e a complexa arena do laboratório de cateterismo projetada para a maioria destra. Antes de ler este artigo, eu não tinha me dado conta que em toda minha carreira tive de usar a mão direita, mais desfavorecida, ao inserir um balão intra-aórtico", escreveu Dr. Simon.

"Dr. Patel e Dra. Patel tiraram conclusões muito sensatas, como a que a mão esquerda deveria ser reconhecida e o ambiente de treinamento adaptado ao canhotismo, ajudando outros canhotos com dicas e truques específicos, como na cirurgia cardíaca compartilhada, por exemplo. Os autores descrevem corretamente isso como um fenômeno não binário e que existe um espectro de lateralidade, de modo que alguns canhotos se adaptarão com facilidade, enquanto outros precisarão de mais tempo e paciência para adquirir a habilidade necessária", escreveu o comentarista.

"Temos a sorte de viver em uma era cada vez mais consciente e tolerante. O canhotismo é um pequeno exemplo deste progresso."

O Dr. Prashant Patel e a Dra. Mandira Patel informaram não ter conflitos de interesses relevantes.

J Am Coll Cardiol. 2021;77:97-101. Texto completo , Resposta

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....