CONVERSA DE MÉDICO

Por que é preciso falar sobre suicídio

O podcast do Medscape edição em Português

Dr. Luís Fernando Correia; Dr. Sivan Mauer

Notificação

20 de setembro de 2019

Por que precisamos falar sobre o suicídio?

Porque a cada 40 segundos alguém morre assim no mundo. Porque são mais de 800 mil pessoas que tiram a própria vida todos os anos em todos os países do globo.

O suicídio já é a segunda causa de morte entre adultos jovens de 15 a 29 anos.

Estamos falando de um problema global. Um problema de saúde pública que deve ser encarado com dados científicos e tratamento de apoio às pessoas que precisam.

A Organização Mundial da Saúde vem monitorando o problema e por isso, a partir de 2003, passou a dedicar o mês de setembro ao tema.

Setembro Amarelo

A campanha do Setembro Amarelo foi inspirada na história de um jovem que, em 1994, tirou a própria vida. Era um garoto americano típico, de 17 anos, que adorava carros e era muito bom em mecânica. Ele conseguiu comprar e reformar um Mustang 68, e logo ganhou o apelido de Mustang Mike, pois gostava de rodar com seu Mustang amarelo.

Após o suicídio, a família resolveu, no funeral, distribuir cartões com uma fita amarela e com frases mostrando que é OK pedir ajuda. Os mais de 500 cartões se espalharam e logo professores e outras pessoas começaram a recebê-los das mãos de jovens que estavam passando por dificuldades e não sabiam como lidar com elas.

Acolhimento

Cerca de 78% dessas mortes ocorrem em nações em desenvolvimento e em países de baixa renda. No total, os números apontam para 1,4% de todas mortes do mundo a cada ano.

Um dos problemas que devem ser enfrentados é preparar melhor os médicos para acolher os pacientes, nas emergências, nos ambulatórios ou mesmo nos consultórios privados.

A própria classe médica precisa encarar o suicídio de frente, já que os médicos detêm o maior índice de suicídio de todas as profissões, e eles precisam dispor de estruturas de apoio para conseguir suportar as angústias naturais da pressão da formação médica.

Sinais de alerta

Apesar da depressão estar relacionada ao suicídio, não se pode simplificar a situação. Não é apenas isso. Alguns sinais de alerta são extremamente importantes para a prevenção e devem ser observados. Conheça alguns:

  • Conversas sobre se matar, morrer ou se machucar, direta ou indiretamente, repetir frases como “eu preferia estar morto”;

  • Busca por acesso a armas, remédios e outros objetos que podem ser letais;

  • Foco incomum na morte ou na violência;

  • Sentimentos de desamparo e de desespero (se dizer sem saída e acreditar que as coisas não irão melhorar);

  • Sentimentos de culpa e/ou vergonha (se sentir um fardo para todos);

  • Interesse súbito em testamento, em doar posses importantes, fazer arranjos para membros da família;

  • Despedidas inesperadas, ligações para familiares e amigos dizendo adeus como se não fosse vê-los de novo;

  • Afastamento do convívio com familiares e amigos, aumentando o isolamento e desejo de ficar só;

  • Adoção de comportamentos de risco (uso de álcool, drogas e práticas sexuais inseguras);

  • Calmaria súbita e felicidade, após um período de depressão profunda (pode ser sinal de que a escolha pelo suicídio foi tomada).

Para além dos sinais de altera, o mais importante é que as pessoas nessa situação encontrem alguém para ouvi-las. Se perceber que alguém que você conhece ou ama está em risco de suicídio, o mais importante é que ela saiba que você está ali para escutar, sem julgamentos. E aos poucos procure encaminhá-la para obter ajuda especializada. Esse simples ato de ouvir o outro pode salvar uma vida.

Leia mais sobre o tema no Medscape:

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....