Com menos investimento e falta de médicos, saúde pública em Portugal dá sinais de esgotamento

Giuliana Miranda

Notificação

21 de agosto de 2019

Lisboa - Pressionado por greves, falta de profissionais em vários pontos do país e longas filas de espera, o Sistema Nacional de Saúde português tem dado sinais de esgotamento. As críticas dos cidadãos ao serviço público se intensificaram desde o início do verão europeu, quando a dificuldade de manter os serviços em funcionamento recebeu grande destaque na comunicação social.

O subfinanciamento é descrito por especialistas como uma das principais razões para a deterioração do serviço público.

No fim de junho, um relatório divulgado pela Comissão Europeia quantificou a queda nos investimentos no país. [1] Segundo o documento, a despesa pública portuguesa na área da saúde caiu para 6,1% do produto interno bruto (PIB), enquanto a média europeia é de 7,8% do PIB.

Na avaliação per capita, o resultado é ainda mais discrepante. Portugal gasta 1.297 euros por pessoa, contra a média europeia de 2.609 euros, em paridade de poder de compra.

"Temos uma deficiência grave no Sistema Nacional de Saúde (SNS). É como se o SNS estivesse ligado a um ventilador", afirmou a jornalistas o bastonário da Ordem dos Médicos, Dr. Miguel Guimarães, que defendeu um posicionamento mais forte do Ministério da Saúde na busca por investimentos.

A Comissão Europeia alertou que, em longo prazo, a redução nos investimentos em saúde pode ter consequências graves para uma população envelhecida como a de Portugal.

Faltam médicos

Desde o começo do verão europeu, os problemas no atendimento dos hospitais públicos se sucedem, principalmente os causados pela falta de médicos e de outros profissionais.

Oficialmente, Portugal tem a terceira maior razão per capita de médicos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com 4,6 destes profissionais para cada mil habitantes. Quando se analisa apenas os que trabalham no Serviço Nacional de Saúde, no entanto, a média cai para 2,8 médicos por pessoa: um resultado bem abaixo dos 3,6 médicos por habitante dos países da União Europeia.

Portugal tem tido dificuldades para manter os profissionais no serviço público, sobretudo fora dos grandes centros urbanos, em zonas como o Algarve e o Alentejo. Os hospitais públicos não conseguem competir com a remuneração das redes privadas.

Mesmo na capital portuguesa, a falta de recursos humanos se faz sentir. Devido à falta de obstetras e anestesistas, quatro hospitais de Lisboa – Maternidade Alfredo da Costa, Hospital de Santa Maria, Hospital de São Francisco Xavier e Hospital Amadora-Sintra – anunciaram que teriam suas salas de parto fechadas durante dois meses do verão, funcionando em esquema de rotatividade. Após a repercussão pública negativa, os planos foram alterados, mas estes e outros serviços do país seguem em estado de atenção.

Na região do Alentejo, a falta de profissionais de enfermagem também preocupa e foi classificada como sendo um problema grave pela Ordem dos Enfermeiros de Portugal.

Siga o Medscape em português no Facebook, no Twitter e no YouTube

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....