COMENTÁRIO

Clube de Revista: precisão da neurografia por ressonância magnética no diagnóstico das lesões do plexo braquial

Dra. Aline Serfaty

Notificação

12 de janeiro de 2018

Neste artigo

Dra. Aline Serfaty

Nesta seção você encontrará resumos de artigos recentes, publicados nos principais jornais de radiologia e diagnóstico por imagem, analisados pela Dra. Aline Serfaty, cuja formação profissional inclui: Universidade Federal Fluminense e CDPI (residência médica), Hospital Saint Antoine – Paris (fellow) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (mestrado). Ela é diretora do setor de ressonância magnética da clínica Medscanlagos, em Cabo Frio, Rio de Janeiro desde 2007.

1. Existe associação entre perda de peso e menor progressão de alterações degenerativas na cartilagem articular do joelho em pacientes obesos e com excesso de peso avaliada por RM no período de 48 meses?

A osteoartrite é a doença mais comum das articulações nos Estados Unidos, afetando cerca de 50% da população com idade igual ou superior a 75 anos. Os indivíduos obesos têm risco aumentando de artrose do joelho quando comparados com pessoas com peso normal. Esta associação é causada biomecanicamente, pelo aumento da carga articular, por alterações nos padrões de marcha, e também por fatores metabólicos que podem prejudicar a homeostase da cartilagem e causar inflamação sistêmica e local.

O objetivo deste estudo, publicado neste ano na Radiology, foi investigar a associação da perda de peso com a progressão das lesões da cartilagem do joelho em imagens de ressonância magnética (RM) durante 48 meses em participantes com sobrepeso e obesidade, em comparação com participantes de peso estável.

Foram incluídos 640 participantes com sobrepeso ou obesidade, e com fatores de risco para osteoartrite ou achados radiográficos de leves a moderados para osteoartrite, classificados nos seguintes grupos: (a) perda de peso de mais de 10% (n = 82), (b) perda de peso de 5% a 10% (n = 238), e (c) peso estável (n = 320) ao longo de 48 meses. Dois radiologistas avaliaram as alterações de cartilagem e menisco nas imagens de RM 3T do joelho direito no exame de base e 48 meses depois. O escore utilizado para esta avaliação foi o Whole-Organ Magnetic Resonance Imaging Score(WORMS), um método de pontuação semiquantitativo e com múltiplos recursos.

Ao longo de 48 meses, o aumento médio ajustado da cartilagem WORMS foi significativamente menor no grupo de perda de peso de 5% a 10%, e até menor nos pacientes com mais de 10% de perda de peso, quando comparado com o grupo de peso estável.

Para lembrar:
Os participantes que perderam peso em 48 meses mostraram degeneração de cartilagem significativamente menor, conforme avaliado pelas imagens de RM. Além disso, quanto maior a perda de peso, menores foram as taxas de progressão de degeneração cartilaginosa e meniscal.

Referência:
Gersing A, Schwaiger B, Nevitt M et al. Is Weight Loss Associated with Less Progression of Changes in Knee Articular Cartilage among Obese and Overweight Patients as Assessed with MR Imaging over 48 Months? Data from the Osteoarthritis Initiative. Radiology. 2017;284(2):508-520. doi:10.1148/radiol.2017161005.

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....