Atualize seus conhecimentos sobre a febre do vírus Mayaro

Dr. Celso Francisco Hernandes Granato e Dra. Silvia Figueiredo Costa

Notificação

11 de mai de 2017

Epidemiologia

O vírus Mayaro (MAYV) é um vírus RNA que pertence ao gênero Alphavirus da família Togavirus, que está intimamente relacionado com o vírus Chikungunya e mais distantemente relacionado ao vírus da rubéola.

Do ponto de vista epidemiológico, os arbovírus são transmitidos na natureza pela picada de mosquitos infectados de diferentes gêneros, como Haemagogus, Wyeomyia, Sabethes, Aedes e Limatus. Os animais selvagens que completam o ciclo natural dos arbovírus incluem primatas não humanos e provavelmente pequenos mamíferos (roedores), lagartos e aves.

Embora surtos ocorram regularmente, inquéritos soroepidemiológicos revelam que entre 5% e 60% das pessoas que vivem em algumas áreas do norte da América do Sul demonstram contato prévio com o vírus[1,2,5]. Surtos de pequeno a médio porte já foram relatados em Brasil, Venezuela, Colômbia, Bolívia, Peru, Guiana Francesa, Suriname, Trinidad e Tobago, México, Costa Rica, Panamá e Guatemala, e casos importados foram descritos nos EUA, na França e na Holanda.

Juntamente com outras arboviroses (dengue e chikungunya, por exemplo) há uma clara disseminação destes vírus provavelmente relacionada ao aumento expressivo das viagens internacionais, a condições inadequadas de saneamento e recolhimento de lixo na periferia das grandes megalópoles na América do Sul, bem como a uma melhor adaptação do vírus aos seus vetores. Como observado no caso da chikunguya, surtos de MAYV não foram reconhecidos durante surtos da dengue. Estima-se que aproximadamente 1% de todos os casos de dengue na região norte da América do Sul são causados por MAYV.

Após a picada do mosquito, há geralmente um período de incubação de sete a 12 dias. Semelhante à infecção do vírus chikungunya, a relação entre a infecção e a doença parece estar mais perto de 1 (0,6-0,8) com Mayaro, em contraste com o que está descrito em dengue (0,2-0,3).

A viremia é muito difícil de detectar, uma vez que é muito curta (três a sete dias). As células-alvo incluem monócitos, macrófagos, células dendríticas e derme, bem como fibroblastos sinoviais. Durante este período, o desenvolvimento da imunidade inata na forma de interferon alfa/beta, e a produção de anticorpos, é um pouco mais tardia. Apesar disso, os componentes do vírus Mayaro já foram identificados depois de semanas a meses em algumas dessas células em diferentes articulações, onde eles poderiam ter um papel na infecção crônica. Embora em muitos aspectos possa parecer uma doença autoimune, não existem elementos suficientes para apoiar este conceito até agora[3] .

Quadro clínico

Os sinais clínicos desta doença aguda são semelhantes aos da dengue, e constituem-se de febre auto limitada de três a sete dias, normalmente acompanhada de calafrios, cefaleia, dor epigástrica e de retro-orbital, mialgia, artralgia, náuseas, vômitos, diarreia e erupção cutânea maculopapular, às vezes seguida de descamação[6,7,8,9] . A dor articular bilateral é o sintoma mais proeminente; desenvolve-se durante a fase aguda da doença e pode ser altamente incapacitante, afetando pulsos, tornozelos e pequenas articulações das mãos e dos pés, muitas vezes juntamente com edema. Em mais de 50% dos pacientes, pode persistir por vários meses após a infecção[6,7,8] . Nenhuma mortalidade tem sido associada com infecção por MAYV, mas a doença pode causar morbidade significativa, incluindo internação e artralgia intensa. Embora raras, manifestações hemorrágicas em infecções por MAYV têm sido descritas [6,7,8] . Descrição em pacientes imunocomprometidos, tais como pacientes portadores de HIV, indica uma viremia estendida por 10 dias, algo que pode se dever ao estado do paciente imunocomprometido[9] . No entanto, apesar de viremia prolongada, a remissão da mialgia e da artralgia em pacientes imunocomprometidos ocorre sem a necessidade de corticoides ou analgésicos, indicando a convalescência espontânea[9].

Diagnóstico

O diagnóstico laboratorial específico pode ser feito diretamente ou por métodos indiretos. O primeiro grupo é composto por técnicas moleculares, principalmente de PCR ou RT-PCR que utiliza primers derivados de diferentes regiões do genoma viral, como nsP1, 3´NCR, E1, E2 ou E3. Embora muito sensível, o seu uso é limitado, por conta do período muito curto de viremia do MAYV e pela infraestrutura necessária para sua implementação.

Alternativamente, pode ser tentado o isolamento viral, ou por inoculação em culturas celulares (mosquito derivado, como o C6/36) ou em animais de laboratório (ratos).

Os métodos serológicos são mais os frequentemente usados. Embora tenham, até o momento, uso restrito aos centros de referência, um número de técnicas diferentes foram desenvolvidas incluindo ELISA (IgM e IgG), fixação do complemento, inibição hemaglutination e neutralização. Em relação a estes testes posteriores, uma quádrupla ou maior elevação em títulos fará a suspeita clínica muito provável.

Tratamento

Não há nenhum tratamento específico para a doença do vírus Mayaro. Entretato, como a artropatia causada pela infecção pode ser bastante dolorosa, muitos anti-inflamatórios não-esteroides e diferentes drogas já foram usadas, com resultados muito modestos.

Prevenção

Recentemente, foi descrita na literatura uma vacina de vírus atenuado contra a febre do vírus Mayaro, com resultados interessantes em um modelo animal[1] . No entanto, sem a vacina disponível, a forma viável de evitar esta infecção é a proteção contra picadas de mosquito. Os surtos relatados limitam-se praticamente a meios silvestres, sendo a proteção com repelentes aconselhada a pessoas que entrarão na selva ou estarão em contato com este ambiente.

Comente

3090D553-9492-4563-8681-AD288FA52ACE
Comentários são moderados. Veja os nossos Termos de Uso

processing....