Fechar

Referências

  1. Gnjidic D, Hilmer SN, Blyth FM, et al. Polypharmacy cutoff and outcomes: five or more medicines were used to identify community-dwelling older men at risk of different adverse outcomes. J Clin Epidemiol. 2012;65:989-995.
  2. Kaufman DW, Kelly JP, Rosenberg L, Anderson TE, Mitchell AA. Recent patterns of medication use in the ambulatory adult population of the United States: the Slone survey. JAMA. 2002;287:337-344.
  3. McRorie JW, Daggy BP, Morel JG, Diersing PS, Miner PB, Robinson M. Psyllium is superior to docusate sodium for treatment of chronic constipation. Aliment Pharmacol Ther. 1998;12:491-917.
  4. Dajani AS, Taubert KA, Wilson W, et al. Prevention of bacterial endocarditis: recommendations by the American Heart Association. Clin Infect Dis. 1997;25:1448-1458.
  5. Berbari EF, Osmon DR, Carr A, et al. Dental procedures as risk factors for prosthetic hip or knee infection: a hospital-based prospective case-control study. Clin Infect Dis. 2010;50:8-16.
  6. Hamedani S. A clinical practice update on the latest AAOS/ADA guideline (December 2012) on prevention of orthopaedic implant infection in dental patients. J Dentistry. 2013;14:49-52.
  7. Kao FC, Hsu YC, Chen WH, Lin JN, Lo YY, Tu YK. Prosthetic joint infection following invasive dental procedures and antibiotic prophylaxis in patients with hip or knee arthroplasty. Infect Control Hosp Epidemiol. 2017;38:154-161.
  8. National Institute of Dental and Craniofacial Research. Dental Management of the Organ or Stem Cell Transplant Patient. Disponível em: https://www.nidcr.nih.gov/OralHealth/Topics/OrganTransplantationOralHealth/OrganTransplantProf.htm. Acessado em 23 de agosto de 2017.
  9. Xie Y, Bowe B, Li T, Xian H, Yan Y, Al-Aly Z. Risk of death among users of proton pump inhibitors: a longitudinal observational cohort study of United States veterans. BMJ Open. 2017;7:e015735.
  10. Boghossian TA, Rashid FJ, Thompson W, et al. Deprescribing versus continuation of chronic proton pump inhibitor use in adults. Cochrane Database Syst Rev. 2017;3:CD011969.
  11. Stone NJ, Robinson JG, Lichtenstein AH, et al. 2013 ACC/AHA guideline on the treatment of blood cholesterol to reduce atherosclerotic cardiovascular risk in adults: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. J Am Coll Cardiol. 2014;63(25 Pt B):2889-2934.
  12. Han BH, Sutin D, Williamson JD, et al; ALLHAT Collaborative Research Group. Effect of statin treatment vs usual care on primary cardiovascular prevention among older adults: the ALLHAT-LLT randomized clinical trial. JAMA Intern Med. 2017;177:955-965.
  13. Ridker PM, Lonn E, Paynter NP, Glynn R, Yusuf S. Primary prevention with statin therapy in the elderly: new meta-analyses from the contemporary JUPITER and HOPE-3 randomized trials. Circulation. 2017;135:1979-1981.
  14. Díaz-Gutiérrez MJ, Martínez-Cengotitabengoa M, Sáez de Adana E, et al. Relationship between the use of benzodiazepines and falls in older adults: A systematic review. Maturitas. 2017;101:17-22.
  15. Yu NW, Chen PJ, Tsai HJ, et al. Association of benzodiazepine and Z-drug use with the risk of hospitalisation for fall-related injuries among older people: a nationwide nested case-control study in Taiwan. BMC Geriatr. 2017;17:140.
  16. Park H, Satoh H, Miki A, Urushihara H, Sawada Y. Medications associated with falls in older people: systematic review of publications from a recent 5-year period. Eur J Clin Pharmacol. 2015;71:1429-1440.
  17. Smith SC Jr, Benjamin EJ, Bonow RO, et al. AHA/ACCF secondary prevention and risk reduction therapy for patients with coronary and other atherosclerotic vascular disease: 2011 update: a guideline from the American Heart Association and American College of Cardiology Foundation endorsed by the World Heart Federation and the Preventive Cardiovascular Nurses Association. J Am Coll Cardiol. 2011;58:2432-2446.
  18. Dondo TB, Hall M, West RM, et al. Beta-blockers and mortality after acute myocardial infarction in patients without heart failure or ventricular dysfunction. J Am Coll Cardiol. 2017;69:2710-2720.
  19. Bangalore S, Makani H, Radford M, et al. Clinical outcomes with β-blockers for myocardial infarction: a meta-analysis of randomized trials. Am J Med. 2014;127:939-853.
  20. Testa G, Cacciatore F, Della-Morte D, et al. Atenolol use is associated with long-term mortality in community-dwelling older adults with hypertension. Geriatr Gerontol Int. 2014;14:153-158.
  21. Carlberg B, Samuelsson O, Lindholm LH. Atenolol in hypertension: is it a wise choice? Lancet. 2004;364:1684-1689.
  22. Aaron SD, Vandemheen KL, FitzGerald JM, et al. Reevaluation of diagnosis in adults with physician-diagnosed asthma. JAMA. 2017;317:269-279.
  23. Heffler E, Pizzimenti S, Guida G, Bucca C, Rolla G. Prevalence of over-/misdiagnosis of asthma in patients referred to an allergy clinic. J Asthma. 2015;52:931-934.
  24. Jain VV, Allison DR, Andrews S, Mejia J, Mills PK, Peterson MW. Misdiagnosis among frequent exacerbators of clinically diagnosed asthma and COPD in absence of confirmation of airflow obstruction. Lung. 2015;193:505-512.
  25. Shamliyan T, Wyman JF, Ramakrishnan R, Sainfort F, Kane RL Benefits and harms of pharmacologic treatment for urinary incontinence in women: a systematic review. Ann Intern Med. 2012;156:861.
  26. Agency for Healthcare Research and Quality. Nonsurgical treatments for urinary incontinence in adult women: diagnosis and comparative effectiveness. Comparative Effectiveness Review No. 36. April, 2012. Disponível em: http://www.pcori.org/sites/default/files/PCORI-Executive-Summary-NonSurgical-Treatment-of-Urinary-Incontinence-120716.pdf. Acessado em 14 de agosto de 2017.
  27. Kaduszkiewicz H, Zimmermann T, Beck-Bornholdt HP, van den Bussche H. Cholinesterase inhibitors for patients with Alzheimer's disease: systematic review of randomized clinical trials. BMJ. 2005;331:321-327.
  28. Sheffrin M, Miao Y, Boscardin WJ, Steinman MA. Weight loss associated with cholinesterase inhibitors in individuals with dementia in a national healthcare system. J Am Geriatr Soc. 2015;63:1512-1518.
  29. Starr JM. Cholinesterase inhibitor treatment and urinary incontinence in Alzheimer's'disease. J Am Geriatr Soc. 2007;55:800-801.
  30. van Tulder MW, Touray T, Furlan AD, Solway S, Bouter LM, Cochrane Back Review Group. Muscle relaxants for nonspecific low back pain: a systematic review within the framework of the Cochrane collaboration. Spine (Phila Pa 1976). 2003;28:1978-1992.
  31. Fortmann SP, Burda BU, Senger CA, Lin JS, Whitlock EP. Vitamin and mineral supplements in the primary prevention of cardiovascular disease and cancer: an updated systematic evidence review for the U.S. Preventive Services Task Force. Ann Intern Med. 2013;159:824-834.
  32. Jackson RD, LaCroix AZ, Gass M, et al. Calcium plus vitamin D supplementation and the risk of fractures. N Engl J Med. 2006;354:669-683.
Fechar

Autores

Dr. Douglas S. Paauw
Professor de Medicina
Cátedra Rathmann Family Foundation para Educação Médica Centrada no Paciente da
University of Washington School of Medicine, Seattle, Washington

Conflito de interesses: O Dr. Douglas S. Paauw não declarou conflitos de interesse relevantes.

Este conteúdo foi publicado em Medscape.com, em 05 de setembro de 2017.

Carregando...

Fechar<< Medscape

11 medicamentos que você deveria considerar seriamente suspender

Dr. Douglas S. Paauw  |  22 de setembro de 2017

Fechar
Passe o dedo
Slides 1

O problema da polifarmácia

A polifarmácia é descrita como o consumo de cinco ou mais medicamentos diariamente.[1] Uma pesquisa mostrou que mais de 50% das mulheres beneficiárias do Medicare (seguro de saúde pago pelo governo americano a pacientes idosos) tomam cinco ou mais medicações ao dia, com 12% tomando 10 ou mais medicações ao dia.[2] Existe uma grande oportunidade de reduzir o número de medicamentos tomados pelos pacientes, com o potencial de reduzir efeitos colaterais e interações medicamentosas.

Imagens: Dreamstime

Slides 2

Laxantes

Não existem evidências de que o docusato é efetivo para o que é utilizado – amolecer as fezes ou prevenir constipação. Em um ensaio clínico randomizado, 170 adultos com constipação crônica receberam 5,1 g de psyllium ou 100 mg de docusato duas vezes ao dia.[3] O psyllium foi seguro e superior quanto ao efeito em frequência de evacuações, conteúdo de água das fezes, saída total de fezes, e combinação de diversas medidas de constipação. Comparado com o basal, o psyllium aumentou o conteúdo de água das fezes em 2,33% versus 0,01% com o docusato (P = 0,007), e o peso das fezes aumentou no grupo tratado com psyllium (359,9 g semanalmente versus 271,9 g semanalmente em pacientes tratados com docusato; P = 0,005).

Imagens: Dreamstime

Slides 3

Antibióticos antes de procedimentos dentários

Seguindo as mudanças nas diretrizes de profilaxia antibiótica para prevenção de endocardite em 1997,[4] os médicos deveriam prescrever muito menos antibióticos como profilaxia antes de limpezas ou procedimentos dentários. Muitos pacientes ainda estão recebendo profilaxia antibiótica antes de procedimentos dentários porque têm próteses articulares,[5] mesmo não havendo evidências que apoiem essa prática, e de as recomendações mais recentes da American Academy of Orthopaedic Surgeons (AAOS) e da American Dental Association (ADA) não encorajarem isso.[6] Em 2015, as diretrizes da ADA especificamente recomendam contra essa prática.[7] Essa recomendação pode não se aplicar a pacientes de transplante, e a decisão de pré-medicar para procedimentos dentários invasivos, assim como a seleção do regime apropriado, devem ser feitas caso a caso.[8]

Imagem: Dreamstime

Slides 4

Inibidores de bomba de prótons

Dentre os problemas potenciais associados com os inibidores de bomba de prótons (IBPs) estão a redução da absorção de cálcio (com aumento do risco de fraturas), vitamina B12, absorção de hormônios da tireoide, lesão renal aguda e crônica, e aumento do risco de infecção por Clostridium difficile. A mortalidade também pode ser maior entre usuários de IBPs.[9] Alguns pacientes precisam de IBPs em longo prazo (por exemplo, doença do refluxo refratária, refluxo relacionado a esclerodermia, e pacientes idosos em uso de tratamento crônico com anti-inflamatórios não esteroides). No entanto, muitos outros pacientes recebem prescrições de IBPs. Eles são geralmente prescritos para profilaxia de úlcera de estresse em pacientes hospitalizados, mas não são necessários após a alta. Outra causa comum de uso de IBPs é dor abdominal sem causa reconhecida; nessa situação, faz sentido tentar suspender o IBP do paciente. Os dados sobre benefícios versus danos da suspensão de IBPs são inconclusivos. Uma revisão da Cochrane[10] mostrou que a suspensão dos IBPs pode aumentar os sintomas gastrointestinais, apesar de reduzir a carga de medicamentos.

Imagem: Science Photo Library

Slides 5

Estatinas para prevenção primária

Com a publicação das diretrizes para uso de estatinas da American Heart Association em 2013,[11] tem havido um aumento significativo no uso de estatinas para prevenção primária. Entretanto, as evidências de benefícios das estatinas para prevenção primária em pacientes com idade acima de 75 anos são escassas.[12,13] As estatinas podem ser associadas com sintomas musculares, e podem interagir com diversos medicamentos, aumentando a toxicidade em pacientes idosos. Existe uma diferença nos benefícios potenciais das estatinas para prevenção secundária (após evento cardiovascular ou acidente vascular encefálico) versus primária. Os riscos versus benefícios da prevenção primária são uma preocupação em particular para pacientes com mais de 80 anos.

Slides 6

Benzodiazepínicos/Medicamentos com Z

O uso de benzodiazepínicos está fortemente correlacionado com o aumento do risco de quedas.[14] O zolpidem também tem sido associado com aumento do risco de quedas.[15] A insônia, uma preocupação comum em pacientes idosos, é geralmente tratada farmacologicamente, mas o uso crônico de benzodiazepínicos e dos "medicamentos com Z" – zolpidem, zaleplona e eszopiclona – deve ser evitado. Em pacientes idosos, o risco de acúmulo de efeitos colaterais é muito real. Muitos pacientes idosos estão em uso de inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRSs), e também podem estar usando um benzodiazepínico para tratar a insônia causada pelo ISRS. Todos os três grupos de drogas – benzodiazepínicos, ISRS e medicamentos com Z – aumentam o risco de quedas em idosos.[16]

Imagem: Dreamstime

Slides 7

Betabloqueadores

Nas diretrizes de 2011 da American Heart Association/American College of Cardiology Foundation,[17] o uso de betabloqueadores foi recomendado por três anos após um infarto agudo do miocárdio (IAM) ou uma síndrome coronariana aguda (SCA) em todos os pacientes com função do ventrículo esquerdo preservada (recomendação classe I, grau B de evidência). Como uma recomendação classe IIa, as diretrizes estabeleceram que era razoável continuar a terapia com betabloqueadores além de três anos em pacientes com história de IAM ou SCA. Dados mais recentes não mostraram benefício na mortalidade com uso prolongado de betabloqueadores, e colocam em questão o benefício imediato desses medicamentos depois de IAM ou SCA em uma era em que terapias de reperfusão são comuns.[18,19] Além disso, os betabloqueadores não são agentes anti-hipertensivos muito potentes, e são menos efetivos do que outras opções para o tratamento da hipertensão no idoso.[20] O atenolol é particularmente não efetivo para prevenção de desfechos negativos da hipertensão.[21]

Imagem: Dreamstime

Slides 8

Medicamentos para asma/DPOC

Muitos pacientes com dispneia são diagnosticados com asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e, quando os sintomas não se resolvem, são prescritos mais medicamentos e doses mais elevadas.

Em um estudo recente,[22] um terço dos pacientes com um diagnóstico atual de asma apresentou testes respiratórios normais (espirometria/pico de fluxo) e não teve problemas com o desmame dos medicamentos da asma. A mesma taxa elevada de diagnósticos incorretos de asma foi mostrada em diversos outros estudos nos últimos anos.[23,24] O maior problema que leva a erros de diagnóstico foi a falta do uso da espirometria para diagnóstico.

Essa é uma boa área para se praticar a suspensão de medicamentos. Alguns pacientes com asma e DPOC são erroneamente diagnosticados, outros podem não ter asma ativa, o que possibilita o desmame dos medicamentos.

Imagem: Dreamstime

Slides 9

Antimuscarínicos para incontinência urinária

Os agentes antimuscarínicos (darifenacina, fesoterodina, oxibutinina, solifenacina, tolterodina e tróspio), usados comumente para tratamento de incontinência urinária de estresse, têm um benefício pequeno.[25] Essas drogas têm fortes propriedades anticolinérgicas, e podem causar efeitos colaterais graves, especialmente em populações de idosos. Por exemplo, a oxibutinina resolveu a incontinência urinária em 114 de 1000 pacientes tratados, enquanto 63 de 1000 interromperam o tratamento por conta de efeitos colaterais.[26]

Imagem: Dreamstime

Slides 10

Inibidores de colinesterase para doença de Alzheimer

Essa é outra classe de medicamentos com benefício muito modesto e muitos efeitos colaterais desconcertantes. O número necessário para tratar para qualquer benefício em pacientes com doença de Alzheimer com donepezila (o inibidor de colinesterase mais comumente prescrito) é 12.[27] Isso significa que para cada paciente que obtém um benefício modesto com esse medicamento, 11 serão tratados mas não terão benefício. Os efeitos colaterais são perturbadores com essa classe de medicamentos, e incluem náusea, redução do apetite, perda de peso, síncope e incontinência urinária.[28,29] Alguns pacientes podem inclusive precisar iniciar um agente antimuscarínico para a incontinência urinária causada pelo inibidor de colinesterase que estão tomando.

Imagem: Dreamstime

Slides 11

Relaxantes musculares para dorsalgia

A evidência de benefício é insuficiente para o uso de relaxantes musculares para tratamento de dor lombar crônica ou subaguda.[30] Essa classe de medicamentos produz uma grande quantidade de efeitos colaterais, e é especialmente perigosa em idosos. A toxicidade aumenta quando combinado com álcool.

Imagem: iStock

Slides 12

Suplementos

Muitos pacientes utilizam suplementos sem necessidade de prescrição. Tomar um polivitamínico é particularmente comum, embora não tenha sido demonstrado benefício na prevenção de doença cardiovascular ou câncer.[31] Suplementos de cálcio provavelmente não têm benefício em mulheres na pós-menopausa. No maior estudo até o momento, a suplementação de cálcio e vitamina D aumentou discretamente a densidade óssea e a frequência de cálculos renais, mas não reduziu o risco de fraturas.[32] A suplementação de cálcio inibe a absorção de hormônio tireoidiano.

Imagem: Dreamstime

< Anterior Próximo >
  • Google+
  • LinkedIn
Sair Tela cheia

.